Acesso ao principal conteúdo
EUA/Economia

EUA: negociação sobre “abismo fiscal” empaca e deputados devem votar plano B ainda hoje

O presidente da Câmara dos Representantes, o republicano John Boehner, disse que nesta quinta-feira seu partido tentará forçar a aprovação de um projeto de lei orçamentária que ignora as negociações com o presidente Barack Obama.
O presidente da Câmara dos Representantes, o republicano John Boehner, disse que nesta quinta-feira seu partido tentará forçar a aprovação de um projeto de lei orçamentária que ignora as negociações com o presidente Barack Obama. REUTERS/Gary Cameron
Texto por: RFI
4 min

Nesta quarta-feira, o líder republicano John Boehner chamou a imprensa e anunciou que nesta quinta-feira a câmara dos deputados deverá votar um "plano B", que ignora completamente as negociações realizadas na última semana com o presidente Barack Obama para evitar o chamado "abismo fiscal".

Publicidade

Carolina Cimenti, correspondente da RFI em Paris

A dívida dos Estados Unidos atualmente ultrapassa US$ 16 trilhões, a maior do mundo em todos os tempos. Para diminuir dívidas públicas é preciso aumentar impostos e cortar despesas. Nesse ponto, democratas e republicanos concordam. O problema começa quando se discute quais despesas cortar e quem deverá pagar mais impostos.

Até três dias atrás, parecia que finalmente democratas e republicanos estavam trabalhando em conjunto novamente. O líder da oposição, John Boehner, havia conversado longamente com o presidente Barack Obama e, aparentemente, estavam chegando perto de um acordo para resolver o chamado “abismo fiscal”, que ameaça empurrar os Estados Unidos novamente para uma recessão.

O presidente Barack Obama sugeriu aumentar os impostos para todas as pessoas que ganham mais de US$ 200 mil por ano e aceitou fazer cortes em benefícios para idosos. Por outro lado, o líder republicano, John Boehner, aceitou o pedido de Obama de que os impostos subam para os americanos mais ricos, mas queria que o aumento ocorresse somente para quem ganha mais de US$ 1 milhão por ano.

O presidente então aceitou subir o seu limite para US$ 400 mil. E quando todo o país achou que se estava chegando perto de um acordo, os republicanos cansaram de negociar e decidiram forçar uma votação na câmara nesta quinta-feira do chamado “plano B”, que não prevê nenhuma concessão em relação à proposta inicial que Boehner fez ao presidente.

Na quarta-feira, o líder republicano chamou a imprensa de surpresa e anunciou que tem o número de votos necessários para passar a sua proposta na câmara. Boehner aproveitou para mandar um recado ao presidente: “Ele terá que tomar uma decisão, pedir que os senadores democratas passem a lei, ou se tornar responsável pelo maior aumento de impostos na história americana”, disse o republicano.

Caso a lei do chamado “abismo fiscal” não passe até o dia 31 de dezembro, todos os cortes de impostos feitos durante o governo de George W. Bush serão anulados, para pobres e para ricos, o que poderia empurrar o país novamente para uma recessão.

Segundo Obama, o problema aqui não é técnico, mas sim político: “Eles não se permitem dizer sim para mim, nem mesmo quando as minhas propostas vão de encontro às deles”, disse o presidente. Obama também garantiu que, caso a lei passe na câmara hoje, o texto será vetado por ele.

Aqui nos Estados Unidos, há quem diga que esta será a última esperneada republicana, antes de aceitar uma proposta democrata. É possível também que se trate de um verdadeiro impasse. O que importa é que, a 11 dias do final do ano, o “abismo fiscal” parece cada vez mais próximo... e fatal para a economia americana.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.