Venezuela/Presidencial

Capriles propõe diálogo para cessar violência pós-eleitoral

Sete pessoas já morreram na Venezuela na onda de violência pós-eleitoral.
Sete pessoas já morreram na Venezuela na onda de violência pós-eleitoral. REUTERS/Christian Veron
2 min

O oposicionista Henrique Capriles propôs nessa terça-feira um diálogo com o governo para encontrar uma solução à crise política aberta pela vitória apertada do chavista Nicolás Maduro na eleição presidencial do último domingo. A violência pós-eleitoral já deixou sete mortos e 60 feridos em várias cidades do país. 

Publicidade

Ontem, milhares de simpatizantes de Capriles se reuniram em frente ao Conselho Nacional Eleitoral, em Caracas, para pedir uma auditoria nos votos. Capriles se recusa a reconhecer a derrota pela pequena margem de 1,8% de votos favorável a Maduro. Desde a proclamação oficial dos resultados, na segunda-feira, os ânimos se acirraram e militantes dos dois campos se enfrentam nas ruas. 

Em sua conta no Twitter, Capriles disse que o governo venezuelano está por trás da violência nos protestos. O objetivo de Maduro seria evitar uma nova contagem dos votos, declarou Capriles.

O presidente eleito proibiu um protesto da oposição previsto nesta quarta-feira em Caracas, chamando Capriles de "assassino". O oposicionista cedeu e acabou cancelando a passeata na capital.

Sete venezuelanos morreram durante os protestos, entre eles um funcionário da polícia. Um homem de 45 anos e uma mulher também foram atingidos por tiros. Segundo as autoridades venezuelanas, 135 pessoas foram presas nas manifestações. O chanceler Elias Jaua qualificou os opositores de 'fascistas'.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI