Acesso ao principal conteúdo
Austeridade

Grécia aprova lei de austeridade que prevê 15 mil demissões

Diante do Parlamento grego, manifestantes encendeiam boneco representando trabalhador
Diante do Parlamento grego, manifestantes encendeiam boneco representando trabalhador REUTERS/John Kolesidis
Texto por: RFI
3 min

Na noite deste domingo, o Parlamento Grego adotou uma lei sobre novas medidas de rigor exigidas pela Troika (União Europeia-Banco Central Europeu-FMI), que regula principalmente a reestruturação do setor público e prevê milhares de demissões. Depois de um debate acalorado na Assembleia, a lei foi adotada por 168 votos contra 123. Um deputado se absteve. Uma manifestação convocada por sindicatos dos setores público e privado reuniu 800 pessoas, de acordo com a polícia, diante do prédio do Parlamento, em Atenas.

Publicidade

De acordo com o texto, até o fim de 2014, 15 mil funcionários do Estado serão demitidos - 4 mil deles ainda em 2013. A lei ainda prevê que perderão o emprego aqueles que já foram advertidos por corrupção ou incompetência, os que se aposentarem de forma voluntária e aqueles cujos postos deixarem de existir depois do fechamento de dezenas de organismos públicos. Esta medida inédita condiciona a liberação de um empréstimo de 8,8 bilhões de euros, vindos do FMI e da União Europeia.

Além da reestruturação do setor público, a lei adotada prevê ampliar a incidência de um imposto sobre moradia, apesar de reduzir seu valor em 15%. Pode-se estranhar que artigos tão distintos façam parte de uma mesma lei, mas isso acabou virando uma prática comum na Grécia pós-crise: desta forma, os deputados são obrigados a aprovar o conjunto das disposições.

O mesmo texto também prevê a abertura de concursos para novas profissões e novas linhas de crédito. A ideia é que o governo consiga recuperar bilhões de dólares em impostos e cotizações sociais de particulares e empresas endividadas. As condições do crédito, no entanto, são bastante restritivas.

O partido da esquerda radical Syriza entrou com uma ação de inconstitucionalidade contra o procedimento, mas ela foi rejeitada pelo Parlamento. Para o ministro das Finanças, Yannis Stournaras, a lei é necessária, já que o Eurogrupo se pronuncia nesta segunda sobre a sequência de cessão de empréstimos. "A Grécia precisa (do dinheiro) para pagar salários e aposentadorias", afirmou.

De acordo com os partidos de oposição, Stournaras fez uma emenda "de último minuto" ao texto, que prevê a redução do salário mínimo de 580 euros para 490 euros por mês.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.