China/Argentina

China vai investir em vários setores da Argentina

A presidente argentina, Cristina Kirchner, e o presidente chinês, Xi Jinping, em Buenos Aires.
A presidente argentina, Cristina Kirchner, e o presidente chinês, Xi Jinping, em Buenos Aires. Divulgação

O presidente chinês, Xi Jingping, anunciou que a China vai investir bilhões de dólares, sem precisar quantia, em vários setores da economia na Argentina, incluindo o energético e ferroviário. O presidente chinês faz uma visita oficial de três dias à Argentina, de sexta-feira (18) a domingo (20).

Publicidade

Na sexta-feira, Xi Jingping já tinha assinado mais de 20 acordos com a presidente argentina, Cristina Kirchner, entre eles uma “parceria estratégica”, nos moldes de outras alianças concluídas com países emergentes, como o Brasil.

No setor energético, a China vai contribuir com 4,4 bilhões de dólares na construção de duas barragens hidroelétricas na região de Santa Cruz, além de ajudar o país a construir sua quarta central nuclear.

Pequim vai também investir 2,1 bilhões de dólares para desenvolver o transporte de mercadorias, especialmente de alimentos, um setor estratégico para a economia do país, além de financiar a construção de onze navios por 423 milhões de dólares.

Sedução latina

A China, que já investiu 23 bilhões de dólares no país, é o terceiro parceiro comercial da Argentina, depois do Mercosul e da União Europeia, e é um dos principais destinos para a exportação de gêneros alimentares.

O presidente chinês lançou uma operação de sedução na América Latina, desde sua chegada no Brasil na última quinta-feira, confirmando o objetivo de Pequim em concorrer com os Estados Unidos na região.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI