Acesso ao principal conteúdo
ANGOLA

Angola: MPLA revoltado com livro sobre Agostinho Neto

Capa do primeiro volume da obra sobre Agostinho Neto
Capa do primeiro volume da obra sobre Agostinho Neto Nova Vega
Texto por: RFI
3 min

O MPLA, partido no poder em Angola, denunciou numa declaração a alegada campanha de denegrimento contra o primeiro presidente do país. Em causa a publicação em Portugal este mês do livro "Agostinho Neto, o perfil de um ditador: a história do MPLA em carne viva" do historiador Carlos Pacheco.

Publicidade

Esta extensa biografia de Agostinho Neto com um total de 1471 páginas em dois volumes foi editada pela Nova Vega e teve lançamento público no passado dia 5 na Torre do Tombo, em Lisboa.

Uma sessão deveras agitada que contara com a presença de um grupo de jovens em protesto contra a obra em causa.

O historiador luso-angolano teria passado anos, nomeadamente a vasculhar documentos da antiga polícia política portuguesa PIDE/DGS, e admitia estar-se ali perante "uma obra chocante" com a revelação de facetas inéditas da figura cimeira do nacionalismo angolano com ênfase para os desmandos do mesmo e as divisões e ódios no seio do partido que ainda hoje governa este país africano.

O comunicado do bureau político do Comité central do MPLA denunciava "um opúsculo saudosista do colonialismo português e "repudia, veementemente, a forma caluniosa e insultuosa como é tratado o maior Herói da Luta de Libertação Nacional".

João Pinto, vice-presidente do grupo parlamentar do MPLA alega que o partido ficou "supreso e revoltado... "com a campanha que se está a desenvolver a partir de Portugal contra a figura do doutor Agostinho Neto, político, médico, escritor e fundador da nação angolana".

 

João Pinto, vice-presidente do grupo parlamentar do MPLA

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.