Acesso ao principal conteúdo
Angola

Começam a chegar observadores a Angola

Baía de Luanda. 2 de Junho de 2016.
Baía de Luanda. 2 de Junho de 2016. Benjamin SHEPPARD / AFP
Texto por: RFI
3 min

Começaram a chegar a Angola os observadores das eleições gerais de 23 de Agosto, nomeadamente os antigos presidentes de Cabo Verde e de São Tomé e Principe.

Publicidade

Para além da União Africana, cujo chefe da missão de observação é o antigo primeiro-ministro cavo-verdiano José Maria Neves, estas eleições gerais vão contar ainda com observadores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) já a União Europeia enviou cinco peritos que não poderão divulgar um relatório final nem emitir opinião no desenrolar do processo.

Cabo Verde vai também estar representado como observador, através de uma delegação do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), a convite do MPLA. A delegação do principal partido da oposição cabo-verdiana vai ser composta pelos vice-presidentes Rui Semedo e João Batista Pereira.

O antigo Presidente cabo-verdiano Pedro Pires que chefiou a missão da União Africana em 2002, também é um dos observadores a convite do Presidente angolano, José Eduardo dos Santos. Mais detalhes com o nosso correspondente em Luanda, Avelino Miguel.

Correspondente de Luanda, Avelino Miguel

A Comissão Nacional de Eleição definiu quotas de observadores até 24 convidados para o Tribunal Constitucional, 50 para a Assembleia Nacional, as foramações políticas concorrentes 18 e 3.000 o número de observadores nacionais.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.