Acesso ao principal conteúdo
Convidado

Filmes de João Viana rodados em Moçambique

Áudio 06:28
João Viana, realizador de cinema luso-angolano.
João Viana, realizador de cinema luso-angolano. Berlinale
Por: RFI
9 min

O realizador luso-angolano João Viana tem dois filmes filmados em Moçambique no Festival de cinema de Berlim. Tratam-se da curta-metragem Madness, e da longa Our Madness. Ele revela o advento de um novo produtor de filmes africanos, o Qatar e confessa o seu interesse pelo Brasil.  

Publicidade

Pela segunda vez, o realizador angolano João Viana consegue ter dois filmes selecionados no Festival Internacional de Cinema de Berlim, tratando do mesmo tema, mas com formatos diferentes, um sendo curta-metragem e o outro uma longa.

Há quatro anos, trouve da Guiné Bissau os dois filmes Tabatô e A Batalha de Tabatô, um versão ficção e a outra documentário, ganhando uma menção especial.

Para João Viana, os maus efeitos do colonialismo fazem-se sentir fortemente também no cinema, sempre carente de financiamento. E isso obriga a que os talentos sejam forçados a optar pela diáspora.

Os emigrantes africanos vão à Europa buscar dinheiro para as suas famílias e, igualmente, os realizadores africanos de filmes buscam no exterior o financiamento para os seus filmes sobre o continente negro.

Geralmente o dinheiro vem da Europa, mas João Viana revela um outro país interessado em financiar o cinema africano: o Qatar, com o apoio do qual contou na realização dos seus fois filmes. "Vamos buscar dinheiro fora" para os filmes, através da diáspora".

Embora não tenha ainda trabalhado no Brasil, sente-se  também tentado pelo gigante sul-americano, pois o futuro do cinema africano está na Europa, Ásia e Brasil, diz ele.

E cita o órgão brasileiro de financiamento de cinema a Ancine. O momento favorece o cinema dos países emergentes, acentua João Viana, e as conexões de financiamento estão atentas.

Para João Viana nem o formato mais lento dos filmes é um obstáculo a uma participação maior dos profissionais de cinema africano e português no Brasil.

Ele acredita que o público brasileiro saberá gostar dos filmes mais intimistas e mais criativos que os africanos podem oferecer.

Depois do Festival, João Viana terá uma residência artística em Berlim, até o final do ano.

Será o momento de voltar a Angola, ele que está baseado sobretudo em Lisboa. Angola onde fará seu próximo filme.

"A nossa vida é um bocadinho (de) saltimbanco", conclui o realizador.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.