Acesso ao principal conteúdo

Ex-Presidente de Angola quer “resolver” liderança no MPLA

Áudio 08:33
José Eduardo dos Santos, ex-presidente de Angola e presidente do MPLA, e João Lourenço, chefe de Estado de Angola e vice-presidente do MPLA.
José Eduardo dos Santos, ex-presidente de Angola e presidente do MPLA, e João Lourenço, chefe de Estado de Angola e vice-presidente do MPLA. MARCO LONGARI / AFP
Por: Carina Branco
13 min

Nesta edição de Semana em África, o destaque é para Angola. O presidente do MPLA e ex-chefe de Estado, José Eduardo dos Santos, anunciou a realização de um congresso extraordinário para “resolver” a liderança no partido, em reacção às críticas de bicefalia no MPLA entre ele e João Lourenço. 

Publicidade

O presidente do MPLA e ex-chefe de Estado de Angola, José Eduardo dos Santos, anunciou a realização de um congresso extraordinário para “resolver” a liderança no partido, em reacção às críticas de bicefalia no MPLA entre ele e João Lourenço, vice-presidente do partido e presidente do país, e José Eduardo dos Santos, que lidera o MPLA desde 1979.

A filha de José Eduardo dos Santos, Isabel dos Santos, vai avançar com uma queixa-crime por difamação contra o actual presidente do Conselho Administração da Sonangol, Carlos Saturnino. Em entrevista ao canal privado angolano, TV Zimbo, Isabel dos Santos mostrou-se “chocada” com as declarações de Carlos Saturnino que acusou a antiga administração de ter realizado uma transferência de 38 milhões de dólares depois de ter sido exonerada. Uma denúncia que já levou a Procuradoria-Geral da República a abrir um inquérito.

Isabel dos Santos também falou sobre o seu afastamento da Cruz Vermelha e disse desconhecer oficialmente os motivos da sua exclusão. Pedro Baltazar, presidente interino da Cruz Vermelha, apontou o dedo à má gestão.

Ainda em Angola, o Presidente João Lourenço exonerou o comissário Eduardo Octávio do cargo de Chefe do Serviço de Inteligência e Segurança do Estado, nomeando para o seu lugar o general Fernando Miala, preso durante a presidência de José Eduardo dos Santos. A  20 de setembro de 2007, Fernando Garcia Miala foi condenado e cumpriu pena de quatro anos de prisão efectiva pelo crime de insubordinação.

O jornalista Rafael Marques lamentou "o conservadorismo" de João Lourenço mas o regresso do general Fernando Garcia Miala deixou satisfeito o Almirante "Miau" André Mendes de Carvalho, número dois da coligação CASA-CE.

Entretanto, o Parlamento chumbou a proposta da UNITA para a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito à dívida pública do país, argumentando falta de fundamentação, enquanto o FMI defendeu a privatização de empresas públicas em dificuldade e a reestruturação da Sonangol.

 

Guiné-Bissau

Na Guiné-Bissau, o Procurador Geral da República, Bacari Biai, escreveu ao presidente da CEDEAO, Faure Gnassingbé, a contestar o facto de o seu nome figurar na lista de 19 personalidades guineenses sancionadas pela organização. Bacari Biai sustenta que a CEDEAO cometeu um erro grave.

 

Moçambique

Em Moçambique, esta quarta-feira, decorreu a segunda volta das eleições intercalares de Nampula. Os resultados provisórios davam conta da vitoria da Renamo, com o candidato Paulo Vahanle, com apoio do MDM.

Ainda em Moçambique, o Fundo Monetário Internacional avisou que a trajetória da dívida pública em Moçambique é "insustentável" e que deve atingir os 126% do PIB em 2022.

 

Cabo Verde

Em Cabo Verde, no âmbito da "operação Zorro", o Ministério Público pediu, esta quinta-feira, a condenação dos quatro cidadãos estrangeiros que estão a ser julgados por tráfico de droga de alto risco e associação criminosa. A defesa solicitou a absolvição por falta de provas. O caso remonta a 23 de Agosto do ano passado quando a Polícia Judiciária de Cabo Verde apreendeu 1.157 quilos de cocaína num iate atracado na Marina do Mindelo, na ilha de São Vicente. A embarcação era proveniente de Natal, no Brasil, e tinha como destino a Europa.

 

São Tomé e Príncipe

São Tomé e Príncipe pode sair, em breve, do grupo das nações mais pobres e vulneráveis do mundo, juntamente com Butão, Kiribati e Ilhas Salomão. O anúncio foi feito esta quinta-feira pelo presidente do Comité das Políticas de Desenvolvimento da ONU, José António Ocampo.

São Tomé também assinou com a Índia, esta quarta-feira, um acordo de cooperação económica e dois acordos sobre medicina tradicional. A Índia comprometeu-se a desbloquear 1 milhão de dólares para o desenvolvimento das novas tecnologias de informação e comunicação no arquipélago.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.