Acesso ao principal conteúdo
Angola

Fim de JES na vida política activa angolana, que Legado?

José Eduardo dos Santos, presidente cessante do MPLA e João Lourenço, novo presidente e chefe de estado
José Eduardo dos Santos, presidente cessante do MPLA e João Lourenço, novo presidente e chefe de estado MARCO LONGARI / AFP
Texto por: RFI
8 min

Transferência de poder, entre o ainda presidente do MPLA-PSD, José Eduardo Dos Santos e o próximo líder do partido, João Lourenço, durante o congresso deste sábado, em Luanda. Altura para se fazer o balanço da era JES e que legado deixa ao povo de Angola. 

Publicidade

O MPLA-PSD, no poder, em Angola, realiza no próximo sábado o seu sexto congresso extraordinário, durante o qual o seu presidente, José Eduardo dos Santos deve transferir o poder ao vice-presidente, João Lourenço, que desde Setembro do ano passado está na chefia do Estado.

Partidos da oposição reconhecem o empenho na conquista da paz, mas criticam a sua governação, marcada pelo enriquecimento ilícito e corrupção.

A poucos dias do fim da vida política activa do presidente, José Eduardo dos Santos, que dirigiu Angola durante quase 39 anos, há vozes divergentes entre altas figuras da política e sociedade civil, sobre o fim da bicefalia.

Lindo Bernardo Tito, um dos vice-presidentes da Coligação, CASA-CE, disse que "José Eduardo dos Santos deixa um país em reconciliação, mas muito endividado e ainda encontramos alguns laivos de intolerância política".

Lindo Bernardo Tito da CASA-CE em Angola

Já para o secretário do PRS, Rui Malopa, o ex-presidente José Eduardo dos Santos, sai da política activa deixando um país desequilibrado, mas ele esteve à frente do "processo de paz que os Angolanos conquistaram", o único sentimento que os angolanos podem se lembrar nesta fase da trajectória politíca.

Rui Malopa, do PRS em Angola

Por seu lado, Alcides Sakala, porta-voz da UNITA, principal partido da oposição disse que "a realização de um congresso é sempre um momento importante na história de um partido político".

"Mas, sublinha que, o Presidente JES, chega assim ao fim do seu longo mandato sem glória pelo facto de ter sido o mentor do nepotismo, da impunidade, da institucionalização da corrupção, da má gestão e da intolerância politica."

Alcides Sakala da UNITA em Angola

Pelo contrário, Dino Matross, secretário para as Relações internacionais do MPLA, realçou os êxitos de 39 anos de liderança partidária de JES, uma liderança marcada também por falhas de boa fé, confiando em "pessoas que o enganaram".

Dino Matross do MPLA em Angola

Enfim, Luzia Inglês, secretária-geral da OMA, organização das mulheres do MPLA, defendeu também o ex-Presidente, José Eduardo dos Santos, que algumas vezes, foi enganado por alguns dos seus colaboradores.

"Ele não podia governar sozinho. Havia um executivo. Ele foi confiando (nas pessoas), mas nem sempre a confiança que teve nesta ou naquela pessoa surtiu os efeitos desejados", lamentou, Luzia Inglês.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.