Convidado

Representante da OMS em Angola: "Não se pensa que a doença vá terminar em poucos meses"

Áudio 09:17
Javier Aramburu, representante da Organização Mundial da Saúde em Angola, em finais de Março de 2020 em Luanda
Javier Aramburu, representante da Organização Mundial da Saúde em Angola, em finais de Março de 2020 em Luanda © LUSA - AMPE ROGERIO

O coronavírus causou as suas primeiras vítimas mortais este fim-de-semana em Angola, altura em que o executivo apertou um pouco mais as restrições, instaurando até pelo menos o dia 11 de Abril o estado de emergência sanitária, designadamente com a proibição de circulação de pessoas e veículos na via pública.

Publicidade

Para Javier Aramburu, representante da Organização Mundial da Saúde em Angola, este país tomou as medidas certas e conseguiu ganhar algum tempo perante a progressão da epidemia, mas o sistema de saúde angolano enfrenta desafios, como a falta de testes e a necessidade de proteger eficazmente quem está em primeira linha no combate à doença.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI