Acesso ao principal conteúdo
Angola/Covid-19/Crise

Angola: Covid-19 agrava crise e conómica e social

Soldados patrulham nas ruas do distrito de Kifandondo, em Luanda, a 13 de maio de 2020, em pleno estado de emergência e com restrições de circulação e medidas de distanciamento social em curso, para evitar a propagação da pandemia de Covid-19.
Soldados patrulham nas ruas do distrito de Kifandondo, em Luanda, a 13 de maio de 2020, em pleno estado de emergência e com restrições de circulação e medidas de distanciamento social em curso, para evitar a propagação da pandemia de Covid-19. AFP - OSVALDO SILVA
Texto por: RFI | Avelino Miguel
2 min

Em Angola, uma das consequências da pandemia de Covid-19 é o agravamento da crise económica e social, empresários de PMEs pedem alívio fiscal e incentivos financieros, para evitar falências e mais desemprego.

Publicidade

Cerca de 400 empresários de pequenas e médias empresas angolanas reuniram-se esta quinta-feira (4/06) em Luanda, para  analisar o impacto da pandemia de Covid-19 na sua actividade e propor ao Executivo, medidas para garantir a sua sustentabilidade com vista a evitar mais de 4 mil despedimentos.

Os empresários  exigem do Executivo o alívio da carga fiscal e incentivos financeiros, para fazer face à pandemia e impedir o desemprego de mais de 4 mil trabalhadores com a falência de novas empresas.

Mas o programa do Executivo de apoio à população mais pobre, não consegue responder às necessidades das famílias carentes.

A União Europeia vai disponibilizar 10 milhões de euros para ajudar Angola na implementação de programas para mitigar o impacto da pandemia do novo coronavirus, afirmou esta quarta-feira (3/06) em Luanda, o embaixador da UE em Angola, Tomás Ulicny, no final da audiência que lhe foi concedida pelo Presidente da República, João Lourenço.

Desde do início do isolamento social com o decretar do estado de emergência no passado mês de Marco,  Angola conheceu mais de 300 mil novos desempregados e o aumento da extrema pobreza.

Á meia noite do passado dia 25 de maio, Angola deixou o estado de emergência e entrou em situação de calamidade pública, com a progressiva diminuição das medidas de restrição ligadas à pandemia, apesar de até 9 de junho se manter a cerca sanitária de Luanda.

Angola regista esta quinta-feira (4/06) 82 casos positivos da Covid-19 e 4 óbitos, 18 recuperados e 64 doentes activos, sendo 90 por cento dos pacientes assintomáticos.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.