Acesso ao principal conteúdo
Angola/Covid-19

Angola assinala dia nacional do trabalhador da saúde sob protestos da classe

Marcha convocada pelo Sindicato Nacional dos Médicos de Angola. em protesto e memória de Sílvio Dala, pediatra de 35 anos, que morreu na sequência de uma intervenção policial.
Marcha convocada pelo Sindicato Nacional dos Médicos de Angola. em protesto e memória de Sílvio Dala, pediatra de 35 anos, que morreu na sequência de uma intervenção policial. © Francisco Paulo
Texto por: Avelino Miguel | RFI
4 min

Angola assinala esta sexta-feira, 25 de Setembro, o Dia Nacional do Trabalhador da Saúde, em homenagem  ao médico nacionalista Américo Boavida, que participou activamente na luta de libertação contra o colonialismo português, mas a classe continua a pedir mais e melhores meios para combater a pandemia da Covid-19, provocou 117 mortos + que já contaminou 2.935 pessoas e provocou 117 mortos.

Publicidade

Comemora-se nesta sexta-feira, 25 de Setembro, em Angola,o Dia Nacional do Trabalhador da Saúde, em homenagem ao médico nacionalista Américo Alberto de Barros e Assis Boavida, que participou activamente na luta de libertação contra o colonialismo português .

Américo Boavida, que dirigiu o corpo voluntário angolano de assistência aos refugiados de Angola no ex-Congo Belga, actual República Democrática do Congo, morreu no dia 25de Setembro de 1968, numa base do MPLA, partido no poder desde a independência de Angola, após um bombardeamento do exército português.

Os trabalhadores da saúde comemoram a data, tendo à sua frente grandes desafios, como o combate à pandemia da Covid-19, a melhoria das condições de trabalho e salariais entre outros.

O Sindicato Nacional dos Médicos enalteceu o desempenho dos profissionais de saúde, mas criticou o actual sistema nacional de saúde, que prioriza a medicina curativa e não a preventiva e não aposta na formação de quadros, para servir as estruturas sanitárias, que estão a ser construídas no país.

O Sindicato Nacional dos Enfermeiros exigiu do governo mais e melhores condições de trabalho e material de biossegurança nos hospitais.

Entretanto, numa nota de imprensa,o ministério da saúde destacou o desempenho de todos os profissionais da saúde no combate à Covid,19.

Angola precisa de mais de 24 mil profissionais de saúde, entre médicos, enfermeiros e técnicos de diagnóstico, para responder à demanda, revelou, nesta sexta-feira, 25 de Setembro, em Luanda, o director nacional dos recursos humanos do MINSA, João Baptista.

Correspondência de Avelino Miguel do dia 25 de Setembro de 2020

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.