Angola

Angola vai libertar manifestantes condenados por desobediência

Dezenas de jovens estão hoje concentrados em frente ao Tribunal Provincial de Luanda, exigindo a libertação dos manifestantes detidos durante uma marcha, no sábado, na capital angolana.Algumas carrinhas de transporte prisional chegaram ao tribunal esta manhã e os detidos que transportavam foram recebidos aos gritos de “Liberdade, já!”, à medida que saíam dos veículos.No lado exterior do tribunal, ouvem-se vuvuzelas e críticas ao Presidente angolano, João Lourenço, e ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), enquanto os jovens manifestantes são observados pelo olhar vigilante dos agentes que formam o cordão policial que barra a entrada do tribunal, Luanda, 26 de outubro de 2020. AMPE ROGÉRIO/LUSA
Dezenas de jovens estão hoje concentrados em frente ao Tribunal Provincial de Luanda, exigindo a libertação dos manifestantes detidos durante uma marcha, no sábado, na capital angolana.Algumas carrinhas de transporte prisional chegaram ao tribunal esta manhã e os detidos que transportavam foram recebidos aos gritos de “Liberdade, já!”, à medida que saíam dos veículos.No lado exterior do tribunal, ouvem-se vuvuzelas e críticas ao Presidente angolano, João Lourenço, e ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), enquanto os jovens manifestantes são observados pelo olhar vigilante dos agentes que formam o cordão policial que barra a entrada do tribunal, Luanda, 26 de outubro de 2020. AMPE ROGÉRIO/LUSA LUSA - Ampe Rogério

Os 71 manifestantes condenados, este domingo, pelo crime de desobediência em Angola serão libertados. O anúncio foi feito pelo advogado de defesa, Zola Bambi, à agência de notícias Lusa, no final do julgamento da centena de manifestantes detidos no passado dia 24, em Luanda.

Publicidade

Em declarações à agência de notícias Lusa, o advogado de defesa, Zola Bambi, esclareceu que 26 réus foram absolvidos de todos os crimes e os outros 71 manifestantes foram condenados por desobediência a um mês de prisão, pena que será convertida numa multa.

Zola Bambi garantiu que os 71 manifestantes condenados pelo crime de desobediência em Angola serão libertados, porém referiu que três dos réus condenados vão recorrer da decisão, um recurso que será extensivo a todos.

O advogado de defesa acrescentou ainda que há manifestantes, um jovem mudo e outro que testou positivo ao covid-19, e jornalistas que ainda não foram ouvidos pela justiça angolana e que podem ser convocados para serem julgados à parte.

Centenas de manifestantes foram detidos, no passado dia 24 de Outubro, durante uma marcha contra a pobreza e foram a julgamento sumário, acusados de actos de arruaça e desobediência.

O Presidente de Angola esclareceu que o direito à manifestação existe, mas está apenas "condicionado" temporariamente por causa da pandemia e acusou a UNITA de estar por trás dos protestos de sábado passado.

A repressão policial e as detenções arbitrárias foram criticadas pela sociedade civil e pela oposição angolana que referem que a liberdade de expressão está em risco. O líder da UNITA, Adalberto Costa Júnior, disse que o chefe de Estado tem medo do povo angolano e apelou à libertação dos mais de uma centena de manifestantes

Uma nova marcha foi marcada para 11 de Novembro, dia de independência.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI