Acesso ao principal conteúdo
FX-2/Boeing

Boeing apresenta concorrente do Rafale no Senado Brasileiro

O caça francês Rafale pode ser escolhido para renovar a frota aerea brasileira.
O caça francês Rafale pode ser escolhido para renovar a frota aerea brasileira.
Texto por: Taíssa Stivanin
3 min

Um grupo de executivos da Boeing apresentou nesta quinta-feira, em Brasília, diante de uma comissão do Senado, o caça F18 Super Hornet. Para impressionar os parlamentares, os americanos instalaram até mesmo um simulador de voo no Congresso. O F18 concorre com o francês Rafale na licitação do programa FX-2, do Ministério da Defesa, para renovação da frota da FAB (Força Aerea Brasileira).

Publicidade

Além do F18 e do Rafale, estão na disputa o Grippen NG, da sueca Saab, apresentado à Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado na semana passada. A audiência do caça Rafale, da Dassault, está marcada para a próxima quinta-feira. A expectativa, segundo a presidente Dilma Rousseff, é que a escolha, que vem sendo adiada desde o governo Lula, seja feita até 2012. Em recentes declarações à imprensa, a presidente disse que a renovação das forças armadas é uma prioridade do seu governo.

Apesar da audiência ser uma formalidade, a Boeing instalou um simulador de voo em pleno Congresso, aberto ao público, como estratégia de propaganda. O caça seria um dos favoritos da presidente Dilma, apesar de Lula ter sinalizado no passado uma preferência pelo francês Rafale, da Dassault. A empresa francesa prometeu a transferência de tecnologia, uma das exigências do governo brasileiro.

A mudança de ministro da Defesa – a pasta agora foi assumida pelo ex-chanceler Celso Amorim – também pode beneficiar o caça francês, já que o ministro explicitou em diversas ocasiões sua preferência pelo Rafale. “Ainda não se sabe qual o enfoque definitivo será dado pelo governo brasileiro, se é uma transferência de tecnologia ou uma parceria, por exemplo, que insira a Embraer”, disse à RFI o editor do site www.defesa.net, Nelson During. “O setor da aviação comercial está se transformando e uma empresa que aceite um acordo que garanta a inserção da Embraer nesse cenário também deverá ser considerada pelo governo brasileiro”, avalia.

A Boeing quer reverter o jogo e acredita que ainda há margem de negociação, já que a política externa do governo Dilma aponta para uma reaproximação com os Estados Unidos. A empresa investiu em anúncios de páginas inteiras nos principais jornais do país nesta quinta-feira, mostrando as vantagens do F18.  “A Boeing expõe não só as vantagens de um acordo em si, mas também as vantagens de um acordo com a Boeing. Tudo isso mostra o empenho da Boeing em obter esse contrato”, declarou.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.