Acesso ao principal conteúdo
Brasil/França

Especialista brasileiro lança livro sobre BRICS em Paris

O vice-diretor da faculdade de Direito da USP, Paulo Borba Casella, durante lançamento em Paris do livro BRIC - Uma Perspectiva de Cooperação Internacional",
O vice-diretor da faculdade de Direito da USP, Paulo Borba Casella, durante lançamento em Paris do livro BRIC - Uma Perspectiva de Cooperação Internacional", Julia Assef/RFI
5 min

No lançamento do seu livro “BRIC - Uma Perspectiva de Cooperação Internacional”, nesta quinta-feira em Paris, o vice-diretor da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, Paulo Borba Casella, destacou que o grupo nasceu com a proposta de contribuir para melhorar o estado de direito no mundo.  

Publicidade

Julia Assef, em colaboração para a RFI

“Há um interesse de pensar nos BRICS não só como um quadro de trocas entre os participantes, mas sobretudo de ação em relação ao conjunto da comunidade internacional. Há um interesse de alavancar, com a ação conjunta, mudanças de alcance multilateral o mais amplas possível. Aí está o diferencial que acredito que os BRICS podem trazer para o quadro mundial nos próximos anos”, disse Casella.

Os países do grupo vão discutir na próxima semana, em Washington, uma possível ajuda financeira à União Europeia, que em troca poderia adotar medidas que beneficiariam os emergentes. “Existe liquidez e existe interesse do lado europeu, aparentemente. Isso refletiria um aumento da participação das cotas do FMI, do Banco Mundial, que pode repercutir em maior disponibilidade para emprestar recursos para este ou aquele país. E um momento extremamente interessante de observar essa mudança de equilíbrio de poder no mundo, o que seria impensável há três anos”, afirmou.

Julia Assef, especial para a RFI

Para Casella, os BRICS devem interagir com os outros Estados como um grupo, a fim de construir uma nova ordem mundial mais estável e mais aberta, com base nos princípios do direito internacional. No contexto internacional atual, o professor sinaliza que os Estados Unidos e a União Europeia estão mergulhados em questões internas, deixando espaço para que os países emergentes tomem uma posição de maior destaque. “Enquanto Estados Unidos e União Europeia estão temporariamente mais voltados para o seu contexto interior, cria-se a necessidade de uma governança global, e os BRICS tem pontuado alguns parâmetros do que poderia vir a acontecer”, concluiu.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.