Renault/Brasil

Brasil se tornou segundo maior mercado da montadora Renault

A fábrica Renault de Curitiba.
A fábrica Renault de Curitiba. AFP / Luis Costa

A montadora Renault confirmou que o Brasil se tornou o segundo mercado mundial da empresa, perdendo apenas para a França. A empresa investe cada vez mais em sua atividade internacional, que em 2010 representou 34% das vendas do grupo e continua crescendo. Depois de bater um novo recorde em 2011, as perspectivas de venda para esse ano apontam para um crescimento de 3 a 4%.

Publicidade

De acordo com os números divulgados nesta terça-feira, o grupo, que reúne as marcas Renault, Dacia e Samsung Motors, vendeu 2,72 milhões de carros no mundo em 2011, dos quais 43% fora da Europa. A França continua sendo o primeiro mercado da empresa, mas a Alemanha, que tradicionalmente ocupava o segundo lugar, perdeu para o Brasil, que já representa o segundo país consumidor de carros da multinacional. Os alemães ficaram em terceiro, seguidos da Rússia e da Turquia. Os argentinos estão em oitava posição e o Irã já é o décimo mercado da empresa.

Se fora da Europa os resultados são positivos, no velho continente o balanço é menos otimista. As fábricas do grupo na região sofreram no ano passado por causa do tsunami no Japão, que impediu o fornecimento de peças e provocou uma retração em mercados com a Espanha e a Grã-Bretanha. Na França as vendas de carros caíram 5,7%. Para 2012, a Renault já estima que suas vendas na Europa sofrerão uma queda de 3 a 4%.

Para compensar a baixa no velho continente, o grupo conta investir cada vez mais nos mercados emergentes. A Renault já avisou que esse ano o Brasil, a Rússia e a Índia serão os pilares de seu desenvolvimento mundial. As estimativas de vendas internacionais devem representar 47% do faturamento do grupo esse ano.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI