Brasil/política

Investigação de escândalo da Petrobras “vai mudar o Brasil para sempre”, diz Dilma

A presidente Dilma Rousseff se despede de um representante do G20 antes de subir no avião presidencial que a levará de volta ao Brasil.
A presidente Dilma Rousseff se despede de um representante do G20 antes de subir no avião presidencial que a levará de volta ao Brasil. Foto: REUTERS/EUA Departamento da Defe

Ao falar pela primeira vez sobre a nova etapa da operação Lava Jato da Polícia Federal, que já levou à detenção de 23 pessoas, entre elas executivos de grandes empreiteiras, a presidente Dilma Rousseff, disse neste domingo (16), que a investigação do escândalo da Petrobrás deverá “mudar o país para sempre” porque irá "ser um marco" para a impunidade no Brasil. A declaração foi feita em Brisbane, na Austrália, pouco antes do encerramento oficial da reunião de Cúpula do G20.

Publicidade

Com informações da correspondente na Ásia, Luiza Duarte.

Luiza Duarte, direto de Brisbane

“Nós tivemos o primeiro escândalo da nossa história investigado. Eu acho que isso pode de fato mudar o país para sempre. Em que sentido? No sentido que vai se acabar com a impunidade”, disse Dilma sobre a sétima fase da operação Lava Jato. “Essa é, para mim, é a principal característica dessa investigação. É mostrar que ela não é algo ‘ingavetável’”, acrescentou a presidente.

“Não é monopólio da Petrobras ser investigada por processos internos de corrupção. A maioria absoluta, ou quase, dos funcionários da Petrobras não é corrupta. Não se pode pegar a Petrobras e condenar a empresa. O que temos que condenar é pessoas e dos dois lados. Os corruptos e os corruptores”, disse a presidente.

“A questão da Petrobrás é simbólica para o Brasil. É a primeira investigação efetiva sobre corrupção no Brasil que envolve segmentos privados e públicos. A primeira, e que vai a fundo.”, acrescentou.

A presidente Dilma sugeriu que os vários escândalos que foram divulgados anteriormente no Brasil e que não foram apurados podem ter contribuído para a situação na Petrobras. “Nós podemos listar uma quantidade imensa de escândalos no Brasil que não foram levados a efeito. E talvez sejam esses escândalos que não foram investigados que são responsáveis pelo que aconteceu na Petrobras”, afirmou.

“Gesto elegante dos ministros”

Durante a entrevista coletiva, a presidente Dilma Rousseff também foi questionada sobre a demissão de um grupo de ministros que entregaram seus cargos durante o giro dela pelo exterior.

“Foi um gesto elegante dos ministros. Porque não é necessário colocar o cargo à disposição. Ele está sempre à minha disposição. Essa é a regra do jogo em qualquer país presidencialista”, disse a presidente se recusando a dar detalhes sobre sua futura reforma ministerial.

Sobre as recentes manifestações que pediram a volta do regime militar no Brasil, a presidente disse não concordar com o teor das manifestações, mas não questiona a organização desses protestos.

“O Brasil tem espaço para ter a manifestação que for, mesmo uma que signifique a volta do golpe (militar). Porquê? Porque nós somos hoje, de fato, um país democrático. Reconhecer isso é entender que faz parte da nossa história, hoje, sermos capazes de tolerar inclusive as manifestações mais extremadas. Faz parte. É o que acontece em países democráticos”, concluiu.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI