Cabo Verde

Cabo Verde quer "atacar de frente" a insegurança

DANIEL SLIM / AFP

O executivo de Cabo Verde aprovou, esta quinta-feira, um conjunto de medidas de intervenção imediata para combater a insegurança no país. Entre as medidas está o projecto "Cidade Segura" e o número único nacional para a comunicação de emergências.

Publicidade

O governo cabo-verdiano vai disponibilizar 460 milhões de escudos, cerca de quatro milhões euros, para reforço extraordinário dos meios operacionais para a Polícia Nacional, Polícia Judiciária e Serviços Prisionais. Estes fundos destinam-se a equipamentos de segurança e meios de mobilidade para combater a onda de insegurança que se instalou no país.

De acordo com o ministro da Administração Interna, Paulo Rocha, o executivo quer para "atacar de frente" a problemática da criminalidade e da insegurança urbana em Cabo Verde.

No conjunto de medidas de intervenção imediata para a contenção da insegurança, anunciado pelo governo está a implementação dos projectos ‘Cidade Segura’, do número único nacional para a comunicação de emergências 112- a implementação das estruturas de coordenação e integração das forças e serviços de segurança, o reforço da iluminação pública e o reforço da motivação dos profissionais de segurança.

Segundo o relatório anual sobre a situação da justiça em Cabo Verde, entre 1 de Agosto de 2015 e 31 de Julho de 2016, o país registou 120 homicídios. O documento conclui que a criminalidade aumentou 6,7 por cento relativamente ao ano passado.

Correspondência de Odair Santos

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI