Acesso ao principal conteúdo
Cabo Verde

Alex Saab, detido em Cabo Verde, foi convocado pelo Ministério Público da Colômbia

Alex Saab, empresário colombiano.
Alex Saab, empresário colombiano. © FARAROU
Texto por: Odair Santos
5 min

Alex Saab, o alegado testa de ferro de Nicolás Maduro deve ser ouvido, ainda nesta quarta-feira, pelo Tribunal da Relação do Barlavento, em São Vicente, para onde foi encaminhado o processo de extradição do empresário colombiano.

Publicidade

Alex Saab acusado pelos Estados Unidos de crimes de lavagem de dinheiro em bancos norte-americanos e de ser agente do Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e procurado pela Interpol está neste momento em prisão preventiva na cadeia central da ilha de São Vicente, estabelecimento prisional para onde foi transferido na tarde de terça-feira.

A detenção de Alex Saab tem suscitado muito interesse na imprensa cabo-verdiana, esta manhã, analisando o caso na rádio pública, o criminalista, João Santos, disse que apesar de não existir nenhum acordo de extradição entre Cabo Verde e os Estados Unidos, as autoridades judiciais podem recorrer às convenções internacionais, nomeadamente a ligada à criminalidade organizada transnacional para validar a extradição de Saab.

Se o tribunal entender que essa pessoa (Alex Saab) deve ser entregue aos Estados Unidos terão de fazer recurso dessa convenção para validar esta extradição” explicou.

Apesar de estar em prisão preventiva em Cabo Verde, o Ministério Público da Colômbia convocou o empresário Alex Saab para julgamento devido a branqueamento de capitais. A entidade garantiu, que a investigação vai continuar e que Saab deve responder à justiça colombiana pelos crimes que lhe são imputados: lavagem de dinheiro, enriquecimento ilícito, exportação, importação fictícia e fraude agravada.

Venezuela denunciou detenção de Alex Saab

O Governo venezuelano denunciou no passado domingo que a detenção do empresário Alex Saab Morán que foi "ilegal", por estar em missão oficial com "imunidade diplomática", pedindo ainda a sua libertação.

O comunicado da Venezuela referia ainda que "no âmbito da amizade e relações respeitosas que mantemos historicamente entre os dois países, a Venezuela pede ao Estado cabo-verdiano que liberte o cidadão Alex Saab".

A Venezuela também divulgou a missão de Alex Saab Morán: "estava em trânsito" em Cabo Verde, numa viagem que visava "garantir alimentos para os Comités Locais de Abastecimento e Produção, bem como medicamentos, suprimentos médicos e outros bens humanitários à atenção da pandemia de Covid-19".

Por fim o Governo venezuelano não poupa críticas à Interpol: “um mandado de detenção extemporâneo para justificar a detenção, sem levar em consideração a imunidade diplomática que o direito internacional concede a um agente de um Governo soberano”.

Mais pormenores com o nosso correspondente, Odair Santos.

 

Correspondência de Cabo Verde 17-06-2020

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.