Acesso ao principal conteúdo
Cultura CPLP

Ministro da Cultura de Cabo Verde defende fundo da CPLP para financiar cultura

Abraão Vicente, ministro da Cultura cabo-verdiano.
Abraão Vicente, ministro da Cultura cabo-verdiano. © lusa
Texto por: Odair Santos
2 min

O ministro da Cultura e das Indústrias Criativas de Cabo Verde defende a criação de um fundo comum para apoia o sector cultural na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Publicidade

O ministro da Cultura e das Indústrias Criativas de Cabo Verde, Abraão Vicente, defende a necessidade de um mercado comum das Indústrias Criativas na CPLP, no sentido de ter mobilidade dos artistas e o acesso a taxas fiscais igualitárias.

Temos necessidade de ter um mercado comum dentro da CPLP ou mesmo dentro do Palop, no sentido fazer com que os artistas circulam, tenham acesso a taxas fiscais que sejam equilibradas e igualitárias em todos os países e haja um fundo comum da CPLP para a mobilidade. Não só ter acesso a livre-trânsito pela isenção dos vistos, mas também a CPLP criar um fundo de maneio para ajudar os artistas a fazer o circuito internacional”, defendeu o ministro da Cultura e das Indústrias Criativas de Cabo Verde, Abraão Vicente, no Ciclo de Diálogos "As Indústrias Culturais e Criativas na CPLP: O Sector Audiovisual”, que decorreu em videoconferência esta sexta-feira, 2 de Outubro.

O governante cabo-verdiano defendeu ainda um fundo para a requalificação dos conteúdos dos museus e dos acervos dos países da CPLP, o reforço da política comunitária dos direitos de autor e conexos, a implementação do projecto de mercado comum das artes cultura e indústrias criativas da CPLP.

De acordo com o responsável pela pasta da Cultura, "a ambição é transformar e concretizar a CPLP numa comunidade mais activa".

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.