Cabo-Verde

São Vicente com situação de calamidade e restantes ilhas com contingência

Mindelo
Mindelo © RFI/ Odair Santos
Texto por: Odair Santos
4 min

A ilha de São Vicente, que é neste momento o epicentro da Covid-19 em Cabo Verde, está desde este sábado, 16 de Janeiro, com novas medidas restritivas para conter a propagação do novo coronavírus, após declarada situação de calamidade.

Publicidade

Em São Vicente, os bares, esplanadas e outros estabelecimentos de consumo de bebidas alcoólicas podem funcionar até às 21 horas e os restaurantes até às 23 horas. Para todo o país, as discotecas, clubes de dança e pubs podem converter a sua actividade em estabelecimentos de consumo de bebidas e refeições leves, como explicou o ministro da administração interna, Paulo Rocha.

“Estamos a falar de estabelecimentos de funcionam em espaços amplos e arejados, com horário diferenciado, com lugares previamente definidos, expostos de forma que os clientes sejam organizados em pequenos grupos em contexto intrafamiliar, preferencialmente entre coabitantes e se mantenham distantes de outros formando assim grupos clientes que poderão ocupar diferentes níveis de ambiente”, disse o ministro administração interna.

Na ilha de São Vicente que está em situação de calamidade, os estabelecimentos comerciais, com excepção de farmácias e padarias, podem funcionar até às 20h30 e o atendimento ao público nas padarias é até às 21h00.

Para todo o país, o governo entendeu alterar o quadro de normas aplicáveis aos eventos e actividades artísticas e culturais no que tange a lotação dos espaços e definiu que a duração dos eventos não poderá exceder duas horas. “Assim, quando realizados em espaços abertos a lotação máxima passa a ser de 70% dos lugares sentados e quando realizados em espaços fechados a ocupação máxima passa a cerca de 50% dos lugares sentados”,  explicou, Paulo Rocha, lembrando que é necessário dar o devido distanciamento mínimo obrigatório nos lugares sentados fixo.

Mantêm-se encerradas em todo o país as instalações e proibidas as actividades de estabelecimentos com espaços utilizados para dança, nomeadamente discotecas, salões ou nos locais onde se realizam festas; assim como proibidas as actividades públicas, desportivas, artísticas, culturais, recreativas e de lazer, quando realizadas em condições que favorecem a aglomeração de pessoas, que não garantem o distanciamento físico e não cumprem com as regras sanitárias especificamente aprovadas para o efeito. 

Por sua vez, a prática de actividades de cariz religioso e de culto mantém-se condicionada às condições sanitárias fixadas, relativas à redução da lotação dos espaços, à higienização frequente e ao uso obrigatório de máscaras.

A situação de calamidade em S. Vicente e a situação de contingência nas restantes ilhas vigoram até o dia 16 de Fevereiro.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI