Cabo Verde/Vacinação Covid-19

Cabo Verde: início da campanha de vacinação contra a Covid-19

Enfermeira Helga Fontes de 63 anos de idade, foi a primeira cidadã cabo-verdiana a ser vacinada contra a Covid-19, a 18 de março.
Enfermeira Helga Fontes de 63 anos de idade, foi a primeira cidadã cabo-verdiana a ser vacinada contra a Covid-19, a 18 de março. © Facebook Ulisses Correia e Silva

A campanha de vacinação contra a pandemia da Covid-19 arrancou esta quinta-feira, 18 de março em Cabo Verde, com as vacinas da Pfizer e posteriormente com as da  AstraZeneca aguardando-se a sua homologação pela OMS, enquanto hoje mesmo a Agência Europeia de Medicamentos as considerou "seguras e eficazes".

Publicidade

O acto oficial teve lugar no centro de Saúde de Achada de Santo António, na cidade da Praia e a enfermeira  Helga Fontes, de 63 anos de idade, foi a primeira a ser vacinada e expressando-se na língua cabo-verdiana falou dos benefícios das vacinas e mostrou-se honrada por receber a vacina

Foi uma honra ser a primeira pessoa a ser vacinada, sou hipertensa, portanto de risco, então tenho de tomar a vacina. E aconselho toda a população a aderir a campanha de vacinação. Todos os medicamentos têm riscos, mesmo uma simples paracetamol. Então  vacina é vida, coloquemos na balança risco e benefício, vacina tem mais benefício do que risco”.

No acto de arranque da campanha de vacinação contra a Covid-19, o primeiro ministro, Ulisses Correia e Silva disse que  ser “um grande momento” visto que “vacinas salvam vidas” e que aguarda a clarificação da OMS para que as vacinas da AstraZeneca possam ser utilizadas na imunização da população.

Esperemos que relativamente às vacinas da Astra Zeneca haja uma clarificação, haverá um posicionamento da OMS, amanhã, e esperemos que as dúvidas que eventualmente existam possam ser dissipadas e possamos reforçar a nossa acção de vacinação aqui em Cabo Verde assim como no mundo e está a acontecer o mesmo em relação a todos os países” disse Ulisses Correia e Silva.

Odair Santos, correspondente em Cabo Verde 18/03/2021

Nesta quinta-feira, 18 de março, a Agência Europeia do Medicamento afirmou que a vacina da AstroZeneka é "segura e eficaz" e que os seus benefícios superiores aos riscos, disse Emer Cooke, directora da AEM, embora ressalvando não poder formalmente excluir uma ligação entre esta vacina e os cerca de 30 casos de formação de coágulos sangíneos, sobre os quais a agência investigou entre as cerca de 5 milhões de pessoas vacinadas com a AstraZeneca. 

"Os benefícios da vacina para proteger da Covid-19 são claros e o risco associado de mortes ou hospitalizações ultrapassa os riscos possíveis" disse Emer Cooke. 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI