Cabo Verde/Sociedade

Cabo Verde vai encetar processo de regularização de imigrantes da CPLP e CEDEAO

Palácio da Presidência de Cabo Verde, na cidade da Praia. Cabo Verde decidiu iniciar o processo de regularização administrativa dos imigrantes ilegais que residem no país.
Palácio da Presidência de Cabo Verde, na cidade da Praia. Cabo Verde decidiu iniciar o processo de regularização administrativa dos imigrantes ilegais que residem no país. RFI/Liliana Henriques

O governo de Cabo Verde vai abrir um novo período excecional de regularização extraordinária de imigrantes da CPLP e da CEDEAO. O processo arranca em 15 de dezembro deste ano e prolonga-se por cinco meses, com flexibilização das exigências. Odair Santos

Publicidade

A medida do governo que abre novo regime excepcional de regularização de imigrantes foi tomada na reunião do Conselho de Ministros  e anunciada em conferência de imprensa, pelo ministro da Administração Interna, Paulo Rocha.

O processo inicia-se a partir de 15 de dezembro e durará cinco meses, dependendo da sua evolução pode vir a ser prorrogado. É um processo que tem por alvo particular os cidadãos da CEDEAO e da CPLP que têm mais dificuldades e têm tido essas dificuldades ao longo dos anos, mas é extensivo a todos os cidadãos em situação irregular” disse o governante.

O ministro da Administração Interna, avançou que a nível documental serão flexibilizadas algumas exigências, pois serão exigidos apenas o Documento de identificação nacional, o Registo Criminal de Cabo Verde, o Cadastro Policial e o comprovativo da situação económica.

O Governo isentará também os cidadãos, que requeiram a regularização extraordinária do processo contraordenacional que possa existir e, consequentemente, não se aplicarão as possíveis coimas. Os processos serão arquivados.

O Presidente da Plataforma das Comunidades Africanas Residentes em Cabo Verde, José Viena, saudou a iniciativa  governamental, porque vai promover a integração de imigrantes, mas, em declarações à televisão pública cabo-verdiana, disse que o prazo de cinco meses é curto para a legalização.

É uma notícia muito boa, entusiasmante porque é algo que esperamos há muito tempo. O período de cinco meses é insuficiente, porque há a sensibilização e aquisição dos documentos necessários”, avançou José Viena.

Estima-se em mais de 15 mil, o número de imigrantes ilegais no arquipélago. Dados do Instituto Nacional de Estatísticas (INE), revelam que Cabo Verde  tinha em 2018 cerca de 18 mil imigrantes legalizados, um  correspondente a cerca de 3% da população total.

Os imigrantes, em Cabo Verde, são na sua maioria africanos.

Ouça aqui a correspondência de Odair Santos.

Correspondência Odair Santos. Cabo Verde 18 09 2021

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI