Acesso ao principal conteúdo
Teatro/Festival

Jeanne Moreau e Juliette Binoche prestigiam o Festival de Avignon

O palco medieval do suntuoso Palácio dos Papas recebe as principais peças do Festival de Avignon.
O palco medieval do suntuoso Palácio dos Papas recebe as principais peças do Festival de Avignon. Festival d'Avignon/Christophe Raynaud de Lage
Texto por: Maria Emilia Alencar
2 min

O Festival de Avignon, o maior encontro europeu de teatro, começa nesta quarta-feira com foco na criação contemporânea, na dança e na temática sobre a infância. Esta 65ª edição do festival dá destaque para duas atrizes que marcaram diferentes gerações na França : Jeanne Moreau, interpretando um poema de Jean Genet e Juliette Binoche, que encarna “Senhorita Júlia” de Strindberg.

Publicidade

Até o final do mês de julho, a cidade de Avignon, no sul da França, se transforma, como todos os anos, num imenso palco de teatro. Cerca de 1200 espetáculos são apresentados nos teatros, nas escolas, nos conventos, nas igrejas e principalmente nas ruas. E, como vem acontecendo nas últimas edições, o Festival prestigia mais uma vez o teatro de vanguarda: dos 35 espetáculos da programação oficial, 22 são criações contemporâneas.

A safra Avignon 2011 é bem servida, com a presença de medalhões da dramaturgia europeia convidados pelo coreógrafo francês Boris Charmatz, responsável pela curadoria do Festival esse ano. Entre esses, Patrice Chéreau, célebre cineasta de “A Rainha Margot”, a coreógrafa belga Anne Teresa De Keersmaeker e o italiano Romeo Castelucci.

Atrizes célebres

Uma das pioneiras do Festival de Avignon nos anos 40, Jeanne Moreau volta esse ano interpretando o poema “O Condenado à morte” de Jean Genet, dramaturgo que consagrou sua vida e obra à defesa das minorias negra e homossexual. Aos 83 anos de idade, Jeanne Moreau subirá ao palco medieval do suntuoso Palácio dos Papas para contracenar com o cantor francês Etienne Daho.

Estrela do cinema internacional, Juliette Binoche volta à sua primeira paixão que é o teatro e contribui para o glamour desta edição de Avignon, como protagonista de “Senhorita Júlia”, o clássico do dramaturgo sueco August Strindberg (1849-1912) sobre o envolvimento de uma jovem de família aristocrática com um ambicioso serviçal. A peça ganha uma roupagem bem contemporânea sob direção do francês Fréderic Fisbach.

Prioridade para a dança

Criado como um festival voltado essencialmente para o teatro, Avignon tem dedicado cada vez mais espaço para a dança contemporânea. E desta vez as crianças estão em destaque com a apresentação de um espetáculo associando a dança e a infância, dirigido pelo curador da edição desse ano, o coreógrafo Boris Charmatz. 27 crianças de 6 a 12 anos abrem o evento nesta quarta-feira com o espetáculo intitulado “Enfant”.

Dentro do espírito de abertura à comunidade local de Avignon, Anne-Karine Lescop homenageia a coreógrafa francesa, Odile Duboc, que faleceu no ano passado, e apresenta uma adaptação de uma de suas obras feita com 16 crianças de uma escola situada numa zona de baixa renda da região, onde serão instaurados, em 2013, uma sala de ensaios e residências para artistas.

O Festival de Avignon, que começa nesta quarta-feira,7 de julho, termina em 26 de julho próximo.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.