Acesso ao principal conteúdo
Música/França

Novo disco de Carla Bruni chega hoje às lojas

A cantora e ex-primeira dama da França Carla Bruni em concerto de lançamento do disco em Berlim.
A cantora e ex-primeira dama da França Carla Bruni em concerto de lançamento do disco em Berlim. REUTERS/Markus Schreiber/Pool
Texto por: RFI
3 min

O novo disco da ex-primeira dama Carla Bruni, "Little French Songs", chega às lojas nesta segunda-feira, 1° de abril de 2013. Em uma entrevista publicada no site do jornal Le Journal du Dimanche, ela confessou ter feito uma canção para o seu marido, o ex-presidente Nicolas Sarkozy, mas negou ter criticado François Hollande em uma faixa do álbum. Já a atual primeira-dama, Valérie Trierweiler, teria escrito uma crítica do best seller erótico "Cinquenta Tons de Cinza" que ameaça causar mais uma polêmica.

Publicidade

Duas canções do novo disco de Carla Bruni já foram muito analisadas pela mídia francesa. Em "Raymond", ela canta seu amor por Nicolas Sarkozy. Já em "O Pinguim", a cantora descreve um personagem pouco simpático que muitos acreditam ser o atual presidente da França, François Hollande.

"Levando-se em conta a importância do amor nas nossas vidas, é difícil para mim não cantar sobre isso. E meu amor é ele (Nicolas Sarkozy)", disse ela ao site jdd.fr sobre a canção "Raymond".

E o Pinguim? "Ela não se endereça a François Hollande, mas a todos os malcriados", diz Carla Bruni.

Na entrevista, a ex-primeira dama se recusou a falar de política mas lembrou o indiciamento de seu marido no caso l'Oréal pelo juiz Jean-Michel Gentil - que não terá direito a uma canção.

"George Brassens escreveu bem sobre os juízes, acho que vou reescutar 'O Gorila'", afirmou. A canção fala sobre um juiz que é violentado por um gorila. "Mas esse indiciamento é doloroso para mim. É uma provação para mim e minha família", acrescentou a cantora.

Cinquenta tons de polêmica

O site francês rue89.fr afirma que uma crítica sobre o best seller "Cinquenta Tons de Cinza" escrita pela atual primeira-dama da França, Valérie Trierweiler, teria sido censurada pela revista Paris Match a pedido do Palácio do Eliseu.

Segundo a reportagem, Claude Sérillon, o novo conselheiro em comunicação de François Hollande, teria considerado que o texto expõe demais a vida privada do presidente. Em sua crítica, Valérie Trierweiler faz alusão a uma liberação sexual provocada pela leitura do romance erótico.

O site também informa que os redatores de Paris Match devem realizar na noite desta segunda-feira uma assembleia extraordinária para tratar do caso. E o diretor de redação da revista semanal teria sido convocado pelos diretores do grupo Lagardère para se explicar. Em tempo: o grupo é proprietário de Paris Match e também da editora JC Lattès, que publica "Cinquenta Tons de Cinza" na França.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.