Acesso ao principal conteúdo
Língua Portuguesa

Congresso em Paris discute papel da língua portuguesa

Congresso internacional em Paris discute importância da língua portuguesa
Congresso internacional em Paris discute importância da língua portuguesa Carina Branco/RFI
Texto por: Patricia Moribe
8 min

Como estimular e valorizar o papel da língua portuguesa no mundo? Essa é uma das questões do “Congresso Internacional de Língua e Culturas Lusófonas no Mundo”, que acontece na Universidade Sorbonne Nouvelle, em Paris, nesta segunda-feira, e na sede da UNESCO, amanhã. Participam representantes dos países de língua portuguesa e instituições como a CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) e o IILP (Instituto Internacional da Língua Portuguesa).

Publicidade

Representantes de países da CPLP discutem estratégias para valorizar o português

O encontro pretende lançar uma reflexão sobre os desafios socioculturais que enfrentam a utilização e o ensino do português. O uso do português como ferramenta comercial é outro aspecto a ser discutido em um dos painéis, tendo como pano de fundo o dinamismo da economia de certos países como Angola, Moçambique e Brasil.

Para alguns países onde se falam muitas línguas, como Moçambique, o português também é estratégico para a unidade nacional, como falou à RFI Alexandre da Conceição Zandamela, embaixador de Moçambique na UNESCO. “Moçambique conta com vários agrupamentos étnicos; se eu me deslocar 200 km, se calhar já não me comunico mais com os grupos dessa área, então o português, além de ser a língua oficial, é a língua da unidade nacional”, disse Zandamela.

A cooperação entre os países é um passo fundamental. Sob essa ótica, os participantes vão retomar o tema do acordo ortográfico e tratar do português nas esferas digital, cultural, cientifica e na mídia.

O tema da primeira sessão do Congresso foi o português como língua de comunicação e cultura. Gilvan Muller de Oliveira, diretor executivo do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (ILLP), com sede em Cabo Verde, falou sobre o atual plano de ação estabelecido em Brasília em 2010, que inclui a formação de um vocabulário ortográfico comum, que finalizará os trabalhos da preparação e implementação do acordo ortográfico, e a plataforma do professor de português como língua estrangeira.

Marcelo Dantas, ministro conselheiro da Cultura do Brasil, acredita que o português tem potencial para ser a sétima língua oficial da ONU. Ele falou ainda sobre estratégias para estimular o ensino do português em comunidades vivendo no exterior, como no caso de brasileiros no Japão ou nos Estados Unidos. Dantas acha também que o português deve ser mais utilizado para textos científicos, citando o exemplo de pesquisadores brasileiros que privilegiam o inglês para seus relatórios, por causa de uma maior visibilidade.

Para ouvir as entrevistas, clique no box acima.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.