Acesso ao principal conteúdo
Chipre/ crise

Chipre estaria prestes a pedir ajuda financeira da União Europeia

Vista de Nicósia, capital do Chipre.
Vista de Nicósia, capital do Chipre. Flickr/sk12
Texto por: RFI
3 min

A República do Chipre deve formalizar a qualquer momento um pedido de ajuda financeira à zona do euro para capitalizar o seu sistema bancário, informou uma fonte diplomática europeia à agência AFP. Nesta segunda-feira, a agência de classificação de risco Fitch rebaixou a nota do país de "BBB-" à "BB+", categoria considerada especulativa pelos mercados financeiros.

Publicidade

Há dias que os membros da zona do euro esperam por um pedido formal do Chipre para conseguir pagar dívidas que vencem no dia 30 de junho. A solicitação deve chegar a Bruxelas “nas próximas horas”, conforme um diplomata. Nesta manhã, entretanto, um porta-voz da Comissão Européia, Amadeu Altafai, afirmou não estar informado sobre o eventual pedido de socorro “por enquanto”.

Já a representação permanente cipriota na capital belga não confirmou a iminência do pedido de ajuda. “Estamos examinando todas as possibilidades”, afirmou um membro da delegação do país comunista, cujo segundo maior banco, o Popular Marfin Bank, precisa de 1,8 bilhões para se recapitalizar antes do final do mês.

Há ainda suspeitas de que as autoridades cipriotas pretendem negociar com a Rússia um empréstimo, a invés de pedirem aos europeus, a exemplo do que já fizeram no ano passado. O valor poderia chegar a 5 bilhões de euros. O presidente do país, Demetris Christofias, convocou uma reunião de urgência com vários dirigentes nesta terça-feira, para consultá-los sobre as alternativas de ajuda financeira.

Nesta segunda, a agência Fitch rebaixou a nota atribuída à ilha, passando de BBB- a BB+, com perspectiva negativa. As duas outras maiores agências do mercado financeiro, a Standard and Poor's e a Moody’s, já haviam feito a redução em janeiro e em 13 de junho, respectivamente.

"A redução da nota soberana de Chipre reflete um aumento das necessidades de capital dos bancos do país", justificou a Fitch, em um comunicado.

Segundo a agência, os três principais bancos do país - que é parte da zona do euro e assume a presidência semestral da União Europeia em 1º de julho - estão muito expostos à crise da dívida grega. Tratam-se do Bank of Cyprus, Cyprus Popular Bank (CPB) e Hellenic Bank.

Além dos 1,8 bilhões de euros necessários para a recapitalização do CPB, a Fitch estima que as necessidades totais dos bancos do país poderiam elevar-se a 4 bilhões de euros, 23% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.