Acesso ao principal conteúdo
Portugal/ crise

Credores voltam a Portugal para avaliar ajuda financeira

Manifestação contra a Troika que chega a Portugal para sétima avaliação
Manifestação contra a Troika que chega a Portugal para sétima avaliação REUTERS/Rafael Marchante
Texto por: RFI
3 min

A chamada troica de credores (FMI-BCE-UE) retornou nesta segunda-feira a Portugal para analisar a situação da economia do país, esgotada pela austeridade e por uma população cada vez mais insatisfeita com o governo, que não consegue cumprir com seus objetivos para controlar a crise. Lisboa deve pedir mais prazo para realizar as reformas prometidas aos credores.

Publicidade

A sétima avaliação trimestral da execução do programa de austeridade e de reformas negociado com Lisboa em 2011, em troca de uma ajuda financeira de 78 bilhões de euros, se prolongará nas próximas semanas, segundo o governo. Se a inspeção terminar com uma análise satisfatória, como todas as que a precederam, os especialistas da Comissão Europeia, do Banco Central Europeu e do Fundo Monetário Internacional recomendarão a entrega de uma nova parcela de ajuda, no valor de 2 bilhões de euros.

Mas esta missão não será apenas de rotina, já que o governo de centro-direita disse que espera receber mais prazo dos credores para cumprir com seus objetivos fiscais, que foram revisados em setembro. O ministro das Finanças, Vitor Gaspar, afirmou na semana passada, para surpresa de todos, que é razoável esperar que a Comissão Europeia proponha uma "ampliação de mais um ano do prazo para corrigir seu déficit orçamentário excessivo".

O objetivo de reduzir o déficit público a 4,5% do PIB neste ano e a 2,5% em 2014 é difícil de conseguir devido à recessão, mais profunda que o previsto, explicou Gaspar, depois de reconhecer que a economia voltará a se contrair em torno de 2% do PIB neste ano, o dobro do previsto anteriormente. Com uma queda da atividade econômica de 1,6% em 2011 e de 3,2% em 2012, Portugal vive a pior recessão desde 1975 e o desemprego alcança um novo recorde histórico, afetando quase 17% da população economicamente ativa e 40% dos jovens com menos de 25 anos.

Vitor Gaspar afirmou que a visita dos credores abre uma nova fase no programa de recuperação financeiro que dará "prioridade à recuperação dos investimentos". Bruxelas prevê para este ano um déficit de 4,9% e uma dívida de 123,9% do PIB português. No entanto, o Comissário Europeu para Assuntos Econômicos, Olli Rehn, considera que é prematuro falar de suavizar os objetivos fiscais antes do fim da missão.

Para amparar o seu pedido, Lisboa deve destacar o sucesso obtido em janeiro com sua primeira emissão de dívida no médio prazo desde que pediu ajuda, um passo chave para que o país recupere a confiança dos mercados financeiros e sua autonomia. O governo e a troica também falarão de um assunto delicado para a coalizão dirigida pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, que após o aumento generalizado dos impostos neste ano se comprometeu a apresentar um novo plano para reduzir os gastos públicos em 4 bilhões de euros.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.