Acesso ao principal conteúdo
Grécia/crise econômica

BCE discute aumento de financiamento de urgência para bancos gregos

Protesto diante do parlamento Grego pede acordo com credores e permanência do país na zona do euro.
Protesto diante do parlamento Grego pede acordo com credores e permanência do país na zona do euro. REUTERS/Yannis Behrakis
4 min

O Conselho de governadores do Banco Central Europeu (BCE) reúne-se nesta sexta-feira (19), em conferência telefônica, para discutir a possibilidade de aumentar o financiamento de urgência para os bancos gregos. O pedido dessa reunião foi feito pelo Banco Central da Grécia, que há dois dias alertou o governo do país para acelerar um acordo com os credores e evitar um calote. Nos últimos dias, os saques bancários aumentaram no país.

Publicidade

Na quarta-feira (17), o Banco Central Europeu elevou em mais de € 1 bilhão o limite do financiamento de emergência para Atenas, que agora passou para mais de € 84 bilhões. Diante do fracasso na quinta-feira (18) da reunião do Eurogrupo sobre a Grécia, uma cúpula extraordinária de chefes de Estado e de governo dos 19 países da zona do euro foi agendada para a próxima segunda-feira (22), em Bruxelas.

Os sinais de alerta se multiplicam sobre um risco de default de pagamento. No dia 1° de julho, Atenas deve pagar uma dívida de € 1,6 bilhão com o FMI. Sem dinheiro, a Grécia precisa chegar a um acordo com os credores até o dia 30, mas rejeita as exigências de cortes no sistema de aposentadorias e aumento de impostos. O impasse nas negociações aumenta os riscos do chamado Grexit, ou seja, a saída do país da zona do euro.

“Questão europeia”

Em entrevista exclusiva à RFI nesta manhã, o ministro grego da reforma administrativa, George Katrougalos, disse que está otimista. Para ele, um fracasso das negociações seria contra os interesses de todos e negou que uma eventual saída da zona do euro seria uma catástrofe apenas para a Grécia: "Seria uma catástrofe para o projeto de unificação europeia, consideramos que a União Europeia é um projeto irreversível. Se nós começarmos a cogitar que podemos dar um passo atrás, esse processo não vai se restringir a apenas um país. Por isso eu acho que não se trata de uma questão grega, mas uma questão europeia."

Otimismo também do primeiro-ministro grego Alexis Tsipras, que disse hoje que uma solução para a crise da dívida da Grécia será encontrada e vai permitir ao país voltar a crescer e permanecer na zona do euro. Segundo Tsipras, a cúpula de líderes na segunda-feira é uma decisão "positiva" em direção a um acordo. E em entrevista a um jornal austríaco, Tsipras disse que uma saída da Grécia "seria o começo do fim da zona do euro".

Aproximação russa

Alexis Tsipras será recebido nesta sexta-feira pelo presidente russo Vladimir Putin, em São Petersburgo, onde é realizado o Fórum Econômico Internacional. O líder russo, que vive uma relação tensa com os europeus por causa do conflito separatista no leste da Ucrânia, vai demonstrar claramente seu apoio à Grécia. E não apenas político.

Atenas e Moscou firmaram hoje um acordo para a construção de um gasoduto na Grécia, com financiamento russo. O documento é um protocolo de intenções e estabelece a criação de uma empresa com partes iguais e a construção está marcada para ter início em 2016. O projeto é considerado uma provocação aos europeus, que em plena crise com a Grécia, vê Atenas se aproximar de Moscou.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.