Futebol/Copa América

Copa América começa com vários favoritos, segundo David Luiz

David Luiz ressalta que Brasil não é o único favorito nesta Copa América
David Luiz ressalta que Brasil não é o único favorito nesta Copa América REUTERS/Edison Vara

O Brasil encerrou sua preparação para a Copa América com uma vitória fraca nesta quarta-feira (10), de 1 a 0 sobre Honduras, com gol de Roberto Firmino. Mesmo com Neymar em campo, que entrou no segundo tempo, a seleção de Dunga foi vaiada. Apesar de manter 100% de aproveitamento com 10 vitórias em 10 jogos, a seleção brasileira não está entre as grandes favoritas para a Copa América que começa no Chile.

Publicidade

O Chile, anfitrião da Copa América, enfrenta o Equador na abertura da edição de número 44 da competição mais importante do continente. Doze equipes participam desta edição, as 10 da Conmebol, a confederação sul-americana de futebol, mais as duas equipes convidadas: México e Jamaica. O Brasil está no grupo C e estreia no domingo contra o Perú, antes de encarar a Colômbia e a Venezuela.

Apesar da boa sequência de vitórias sob a era Dunga, e ter um dos melhores craques do mundo no elenco, o atacante Neymar, a seleção brasileira não é considerada a grande favorita como em outras edições recentes. A Argentina, vice-campeã mundial e terceira no ranking da Fifa, tem Lionel Messi em grande forma e a seleção chilena, que joga em casa, também conta com o apoio de sua torcida e de um bom time para tentar erguer o cobiçado troféu de melhor das Américas.

Brasil não é o único favorito

A última Copa do Mundo no Brasil também mostrou a evolução de muitas equipes sul-americanas e, por isso, a competição não tem mais apenas dois ou três favoritos como antes. “Geralmente, a gente falava só de duas ou três equipes. Tem a Colômbia, o Equador, e o Chile, que joga em casa e com sua torcida. Este ano, são cinco ou seis com qualidade para ganhar a Copa América. Vai ser um campeonato duro”, avaliou o zagueiro David Luiz.

Ex-capitão do time, Thiago Silva vê os anfitriões como favoritos. “As equipes sul-americanas tiveram um grande crescimento, tanto que a maioria fez uma bela Copa do Mundo. Acredito que o Chile, por estar jogando em casa e ter uma equipe bem montada, é a favorita. Tem um estilo de jogo diferente das outras. Ela é a grande equipe favorita para o título. Mas a gente vai fazer de tudo para ganhar”, disse.

A final da Copa América vai ser no dia 4 de julho e o vencedor se classifica para a Copa das Confederações de 2017, na Rússia.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI