Acesso ao principal conteúdo
FMI/zona do euro

FMI pede aumento da ajuda à zona do euro

Christine Lagarde, diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), durante discurso em Berlim, nesta segunda-feira,23.
Christine Lagarde, diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), durante discurso em Berlim, nesta segunda-feira,23. REUTERS/Thomas Peter
3 min

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, pediu nesta segunda-feira,23, para os governos europeus reforçarem os recursos dos mecanismos de apoio aos países em dificuldade e estudarem a adoção conjunta de medidas de risco, como o lançamento dos chamados “eurobonds”.

Publicidade

Em um discurso pronunciado no Conselho alemão de Relações Exteriores, a diretora-gerente do FMI observou que a economia mundial está em um “momento decisivo”, necessitanto respostas rápidas e coletivas.

Por isso, sustenta Christine Lagarde, as grandes potências devem apoiar um aumento dos recursos do Fundo Monetário Internacional para ajudar a dar uma resposta afirmativa às necessidades de financiamento mundiais, que podem atingir 1 trilhão de dólares.

"Quanto mais esperarmos, mais será difícil a nossa tarefa. Não há oitra solução senão avançarmos juntos", afirmou. “Há uma coisa que todos nós devemos entender: é que hoje estamos diante de um momento decisivo. Não se trata apenas de agir par salvar um país ou uma região. Isso é para evitar que o mundo seja sugado por uma espiral de degradação econômica”, disse Lagarde.

Nos últimos dois anos o FMI contribuiu para financiar diversos planos de ajuda aos países da zona do euro, mas, agora que a ameaça atinge países mais importantes, como a Itália, o Fundo espera aumentar sua capacidade de empréstimo, atualmente estimada em 380 bilhões de dólares.

Os países da zona do euro se comprometeram a oferecer 200 bilhões de dólares, mas os governos dos Estados Unidos, Canadá, China e Japão continuam reticentes à contribuir para aumentar o caixa da instituição.

Reforço

Segundo Christine Lagarde, será preciso aumentar em cerca de 500 bilhões de dólares a capacidade de empréstimo do FMI, incluindo neste valor os 200 bilhões prometidos pelo bloco europeu. “Estou convencida que temos de reforçar a capacidade de empréstimo da instituição”, afirmou.

Em seu discurso, Lagarde elogiou a decisão tomada por vários governos da zona do euro de reforçar o equilíbrio orçamentário e as medidas adotadas pelo Banco Central Europeu de oferecer liquidez aos bancos. No entanto, a diretora-gerente do FMI consideou estas disposições apenas uns “ingredientes” de uma solução global.

Os riscos de uma alta nos custos de financiamento da Itália e da Espanha poderiam desencadear uma crise de liquidez com consequências desastrosas para a estabilidade do sistema financeiro, alertou Lagarde.

Para diretora-gerente do FMI, um aumento substancial dos recursos atualmente disponíveis, como o Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FESF) e o Mecanismo Europeu de Estabilidade (MES, na sigla em francês) seria um medida importante e de credibilidade.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.