Acesso ao principal conteúdo
Alemanha/Vaticano

Papa aceita demissão de “bispo de luxo” alemão

O Vaticano anunciou que o Papa Francisco aceitou a demissão do bispo alemão Franz-Peter Tebartz-van Elst.
O Vaticano anunciou que o Papa Francisco aceitou a demissão do bispo alemão Franz-Peter Tebartz-van Elst. REUTERS/Wolfgang Radtke/KNA-Bild/Files
Texto por: RFI
3 min

O papa Francisco aceitou nesta quarta-feira (26) o pedido de demissão do bispo alemão que ficou famoso por seus gastos exorbitantes na reforma da residência episcopal. Franz-Peter Tebartz-van Elst ficou conhecido como “bispo de luxo”. O Vaticano nomeou hoje Manfred Grothe para substituí-lo na diocese de Limburgo.

Publicidade

Franz-Peter Tebartz-van Elst já estava afastado do cargo desde o mês de outubro, após a revelação de seus gastos milionários para reformar a residência episcopal de Limburgo. Ao invés dos € 6 milhões previstos inicialmente, o bispo gastou € 31 milhões com a obra e provocou um grande escândalo midiático na Alemanha, nesse momento que o papa Francisco prega uma Igreja mais humilde.

O bispo alemão foi recebido pelo papa Francisco no Vaticano e entregou sua carta de demissão em 20 de outubro. O sumo pontífice aceitou a renúncia hoje e justificou a decisão dizendo que “a situação na diocese de Limburgo impede que Franz-Peter Tebartz-van Elst exerça de maneira produtiva seu ministério”.

No comunicado, o papa também pediu aos padres e fiéis da cidade para “receber a decisão com serenidade e se reconciliarem.” O bispo deixa a diocese de Limburgo, mas “será indicado posteriormente para outra função”.

Comissão de inquérito da Igreja

Uma comissão de inquérito foi aberta pela Igreja alemã para analisar os gastos ligados à reforma da residência episcopal. Ela se reuniu oito vezes a partir de outubro e ouviu várias testemunhas. O relatório com o resultado da investigação foi entregue ao Vaticano no início de março pelo presidente da Confederação dos Bispos da Alemanha, Robert Zollitsch.

Segundo os jornais alemães, o relatório denuncia a péssima gestão do “bispo de luxo” que tentou esconder por muito tempo os custos reais da reforma. A imprensa revelou alguns exemplos dos seus excessos: a obra no aposento episcopal teria custado 2,9 milhões de euros, com uma sala de jantar de 63m2 e uma banheira do designer Philip Starck no valor de 15 mil euros.

Reações

O atual presidente da Confederação dos Bispos alemães, Reinhard Marx, disse que a decisão do papa “acaba com um período de incertezas para a diocese de Limburgo”. Ele promete no futuro mais transparência na gestão das finanças para melhorar a credibilidade da Igreja.

Uma organização progressista de laicos católicos alemães recebeu a decisão de Francisco com alívio, estimando que a demissão do “bispo de luxo” “é um sinal positivo para toda a Igreja”.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.