Acesso ao principal conteúdo
Ucrânia/Crise

Cessar-fogo no leste da Ucrânia é "globalmente respeitado"

Separatistas pró-russos nos arredores de Donetsk, neste domingo (15/02).
Separatistas pró-russos nos arredores de Donetsk, neste domingo (15/02).
3 min

O cessar-fogo no leste da Ucrânia entre os separatistas pró-russos e as forças governamentais parece ter sido globalmente respeitado até a manhã deste domingo (15). As autoridades de Kiev e os líderes rebeldes notaram uma "situação mais calma", apesar dos incidentes considerados isolados e que deixaram dois mortos durante a madrugada.

Publicidade

Vinte minutos depois da entrada em vigor do cessar-fogo, à meia-noite deste domingo, pelo horário local, dois civis morreram em Popasna, na região de Lugansk, por tiros de artilharia. Os disparos vieram de uma região controlada por dissidentes cossacos que não respeitam os líderes das autoproclamadas Repúblicas separatistas. Depois, os confrontos cessaram.

As forças ucranianas registraram bombardeios na região de Lugansk e nos arredores de Debaltseve, palco de violentos combates nos últimos dias. Mas os ataques foram "de tiros esporádicos e não sistemáticos", de acordo com um porta-voz do exército ucraniano.

No total, as tropas ucranianas foram alvos de dez ataques durante a madrugada, um número bem inferior do que nas últimas semanas.

Um alto dirigente da República autoproclamada de Donetsk, Edouard Bassourine, disse que o cessar-fogo foi "globalmente respeitado", embora confrontos esporádicos foram registrados na região de Debaltseve.

"Nós acreditamos que o cessar-fogo será totalmente respeitado em breve, dentro de algumas horas. É preciso um pouco de tempo, não é um processo instantâneo", declarou Ilia Kiva, responsável pelo ministério ucraniano do Interior na região de Donetsk.

Um outro porta-voz militar informou que soldados ucranianos tiveram que enfrentar uma ofensiva rebelde em uma cidade distante 5 km de Debastseve. As autoridades ucranianas também acompanharam a movimentação dos separatistas perto do porto de Mariupol, última grande cidade do leste ucraniano controlada por Kiev.

Moradores aliviados

Os moradores de Donetsk comemoraram a primeira noite sem bombardeios, mas não acreditam em uma trégua duradoura.

"Não acredito que o cessar-fogo será respeitado por muito tempo. Mas, mesmo por alguns dias, já seria bom. É que nos ajudaria a ter acesso novamente à água, gás e eletricidade. Nossa casa ficou sem nada desde os bombardeios do dia 12 de janeiro", afirmou, em entrevista à AFP, Andrei Andreievicht, de 77 anos, morador de um bairro entre o aeroporto e a estação ferroviária, alvo de tiros de artilharia há oito meses.

A feira em frente à estação de Donetsk teve um movimento maior na manhã deste domingo comparado aos últimos meses, segundo moradores.

O cessar-fogo, assinado na quinta-feira em Minsk, após uma reunião envolvendo os presidentes da Ucrânia, Petro Poroshenko, da França, François Hollande, e da Rússia, Vladimir Putin, e a chefe de governo da Alemanha, Angela Merkel, é o primeiro passo para a retirada das armas pesadas do leste da Ucrânia. O respeito ao cessar-fogo é considerado uma condição essencial para avançar o processo de paz para a região.

De acordo com a presidência francesa, neste domingo, Hollande, Putin, Poroshenko e Merkel irão fazer um primeiro balanço da entrada em vigor do cessar-fogo.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.