Grécia/Crise financeira

Comissão Europeia rejeita proposta de Atenas e cresce risco de calote

O primeiro ministro grego, Alexis Tsipras, discursa diante do Parlamento, em Atenas
O primeiro ministro grego, Alexis Tsipras, discursa diante do Parlamento, em Atenas REUTERS/Alkis Konstantinidis

Comissão Europeia recebeu nesta terça-feira (9) a nova proposta de reformas da Grécia. O projeto visava um acordo com os credores e o desbloqueio do financiamento ao país. Mas foi considerado insuficiente pela União Europeia, o que obriga as duas partes a continuar as intrincadas negociações.

Publicidade

Para os dois lados, o tempo urge: os gregos têm até 30 de junho para pagar uma dívida de € 1,6 bilhão com o FMI e depende de um acordo para a liberação de um empréstimo de € 7,2 bilhões, parte do plano de resgate europeu da Grécia, cujos cofres estão quase vazios. Caso a negociação termine em impasse total, Atenas teria de dar um calote e encararia o risco real de sair da zona do euro.

"Grexit"

A Comissão Europeia, embora negue, sabe que, se um Estado sair da zona do euro por recusar as medidas draconianas de austeridade impostas pelo bloco, isso pode gerar um efeito dominó, como estimou o premiê grego, Alexis Tsipras, em entrevista publicada nesta terça pelo jornal italiano Corriere della Sera. Além disso, uma "grexit" (junção Grécia e exit, saída em inglês) certamente causaria turbulência nos mercados.

Por isso, logo depois da fria resposta à proposta grega, os europeus repetiram, em tom conciliador, o que vem dizendo Tsipras: um acordo nos próximos dias é possível. Mas a verdade é que o bloco faz pressão para que a Grécia toque em pontos sensíveis que, em última instância, impactariam, mais uma vez, o bolso da população: o imposto sobre a circulação de mercadorias e as aposentadorias.

Destruição ideológica

O primeiro ministro grego se elegeu com um programa de esquerda, que rechaça a austeridade em troca da ajuda internacional. E, embora tenha contemporizado sobre o imposto, se recusa a tocar as aposentadorias, uma ideia que classificou na sexta-feira (5) como "absurda".

É exatamente essa resistência que a Europa quer quebrar. Os credores não querem ceder na questão das aposentadorias que, em última instância, destroi o programa de governo do Syriza, partido do premiê. Desde sua vitória no ano passado, diversos membros do partido responsabilizam frequentemente os sucessivos planos de austeridade impostos à Grécia, pela explosão do desemprego e a queda do padrão de vida da população.

"Etapa crucial"

Nesta terça-feira, o primeiro-ministro pediu o apoio da direção do Syriza para o que chamou de "etapa crucial" das negociações. Diante do comitê político do partido, ele também cogitou a possibilidade de promover eleições legislativas antecipadas. Ele busca uma conciliação com a ala radical do partido, completamente refratária às pesadas exigências europeias.

Nos próximos dias, Alexis Tsipras se reunirá com o presidente francês, François Hollande, e com a chanceler alemã, Angela Merkel, principal defensora da linha dura frente à Grécia, à margem de uma cúpula entre a União Europeia e a Celac (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos).

Atenas "subestima" os esforços necessários

Também defensor da austeridade fiscal, o presidente da zona do euro, Jeroen Dijsselbloem, declarou nesta terça-feira que o otimismo de Atenas subestima a complexidade das exigências da União Europeia. Para ele, o único jeito de "colocar a economia de volta nos trilhos" é adotar medidas para as quais até agora os gregos disseram "não".

"Está fora de questão que os outros países coloquem dinheiro sobre a mesa", afirmou Dijsselbloem. "Tudo deve se passar dentro dos limites de recursos disponíveis e dos acordos" assinados pela Grécia antes da chegada do Syriza ao poder. Para ele, Comissão Europeia e Grécia ainda estão longe de encontrar um denominador comum.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI