Acesso ao principal conteúdo
#Renault/Automóvel

Renault vai suprimir 15.000 postos de trabalho no mundo

Fábrica da Renault de Choisy-le-Roi, em França, vai fechar. 29 de Maio de 2020.
Fábrica da Renault de Choisy-le-Roi, em França, vai fechar. 29 de Maio de 2020. AFP - GEOFFROY VAN DER HASSELT

O grupo francês Renault confirmou, esta sexta-feira, que vai suprimir 15.000 postos de trabalho no mundo, incluindo 4.600 em França. O objectivo é obter uma economia superior a 2 mil milhões de euros, em três anos. De acordo com o semanário português Expresso, o plano não deverá ter impacto em Portugal.

Publicidade

A Renault oficializou, esta sexta-feira, o seu projecto de plano estratégico, que passa pelo corte de 15 mil postos de trabalho, cerca de 4.600 em França. O objectivo é obter uma economia superior a 2 mil milhões de euros, em três anos. A fábrica de Choisy-le-Roi, em França, vai fechar.

De acordo com o semanário português Expresso, a fábrica da Renault em Cacia, perto de Aveiro, deverá ficar fora desta vaga de despedimentos. No local, trabalham  mais de 1100 pessoas e está actualmente em curso um investimento de 100 milhões de euros.

O grupo anunciou, em Fevereiro, as primeiras perdas em 10 anos. O volume de vendas recuou 3,4 % no ano passado, para 3,75 milhões de veículos, o que foi acompanhado por perdas de 141 milhões de euros. Além disso, a Renault também enfrenta a crise que atravessa toda a indústria automóvel e  a urgência ligada à transição ecológica.  A crise provocada pela pandemia do novo coronavírus piorou as contas.

Em França, o plano inclui, ainda, a suspensão, após 2024, da produção automóvel na fábrica de Flins, que tem 2.600 trabalhadores e que vai recuperar a actividade da fábrica de Choisy-le-Roi, que vai encerrar e que emprega 260 pessoas.

A Renault conta com 48.000 trabalhadores em França, ou seja 27% da mão-de-obra mundial. A supressão de 4.600 postos representa 10% dos efectivos em França.

A capacidade de produção do grupo ao nível mundial deve ser reduzida e passar dos actuais 4 milhões de veículos para cerca de 3,3 milhões.

A Renault explicou que a redução de efectivos será feita com base num plano de despedimentos na base do voluntariado e pedidos antecipados de reforma, assim como medidas de mobilidade e reconversão.  Este é o argumento que a empresa conta apresentar para finalizar o pedido de empréstimo ao Estado de 5 mil milhões de euros e que estava condicionado à manutenção dos postos de trabalho em França. O Estado francês é accionista em 15% do grupo.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.