Convidado

Cúmplices do ataque ao Charlie Hebdo no banco dos réus

Áudio 08:23
Equipa do Charlie Hebdo numa pintura junto à redacção.
Equipa do Charlie Hebdo numa pintura junto à redacção. AFP/Stéphane de Sakutin

Mais de cinco anos e meio depois, começou hoje em Paris o julgamento dos ataques terroristas de Janeiro de 2015. Os 14 acusados são suspeitos de terem prestado apoio logístico aos autores dos ataques de 7 e 9 de Janeiro de 2015 que mataram 17 pessoas.

Publicidade

A 7 de Janeiro de 2015, dois irmãos, armados com Kalashnikov, entraram na sede do semanário satírico francês "Charlie Hebdo". Mataram parte da equipa do jornal. Para marcar a data de início de julgamento o "Charlie Hebdo" voltou a publicar as capas, entre elas o controverso cartoon do profeta Maomé, que o colocaram na mira dos jihadistas

Dos 14 acusados, 11 marcam presença na sala de audiências, os outros três encontram-se a monte. Todos suspeitos de terem prestado apoio logístico aos irmãos Said e Chérif Kouachi e a Amedy Coulibaly, autores dos ataques de 7 e 9 de Janeiro de 2015 que mataram 17 pessoas.

Um julgamento considerado histórico pela grandeza do sucedido, pela ausência dos principais acusados e também por estar a ser gravado em vídeo.

Confira aqui a analise de Rui Miguel Pereira, docente na Faculdade de Ciências Políticas de Paris, especialista em terrorismo.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI