Acesso ao principal conteúdo
França/Samuel Paty

França não vai renunciar às caricaturas de Maomé garante presidente Macron

Chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, preside à homenagem nacional ao professor Samuel Paty no Pátio da Universidade parisiense de Sorbonne a 21 de Outubro de 2020.
Chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, preside à homenagem nacional ao professor Samuel Paty no Pátio da Universidade parisiense de Sorbonne a 21 de Outubro de 2020. REUTERS - POOL
Texto por: Lígia ANJOS
2 min

A França homenageou esta noite em Paris no Pátio da Universidade de Sorbonne o professor Samuel Paty degolado por um jovem refugiado checheno na sexta-feira nos arredores da capital por ter mostrado aos alunos caricaturas de Maomé. Emmanuel Macron, o chefe de Estado, garantiu que o país não renunciaria às ditas caricaturas afirmando que o professor assassinado era "o rosto da República".

Publicidade

« Valores e Luzes nunca se apagarão»

O chefe de Estado francês homenageou na Universidade da Sorbonne o professor Samuel Paty, um discurso muito aguardado pelos franceses.

Emmanuel Macron começou por dizer não ter palavras para descrever este ataque. Não quis falar dos autores e responsáveis pela morte do docente de História e Geografia.

O Presidente francês descreveu Samuel Paty como uma pessoa que gostava de livros, de sabedoria, de literatura e de a partilhar com os alunos.

A cerimónia foi marcada por várias leituras de colegas, professores e alunos. « Samuel Paty encarnava o exemplo de professor descrito por Jean Jaurès no texto aos professores», comparou Emmanuel Macron.

« Mesmo se hoje a missão dos professores parece titânica, nunca como hoje a missão da educação foi tão importante » garantiu o chefe de Estado francês.

« Os islamitas querem roubar o nosso futuro » afirmou ainda Macron, garantindo que « não o conseguirão roubar ».

« Samuel Paty tornou se hoje o rosto da república, o rosto da determinação, da compreensão, do ensino e da liberdade », defendeu o Presidente francês. Continuaremos professores e não abdicaremos de caricaturas ou desenhos porque em França, os valores e as luzes nunca se apagarão » concluiu Macron.

A chegada da urna de Samuel Paty à Universidade de Sorbonne foi acompanhada pela música « One » da banda irlandesa U2 e por palmas das centenas de pessoas que acompanharam a homenagem nacional a Samuel Paty, neste último adeus ao « Monsieur Paty », como lhe chavamam os seus alunos.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.