Acesso ao principal conteúdo
França

França pode desconfinar a partir de 15 de Dezembro

Emmanuel Macron durante a sua intervenção televisiva neste dia 24 de Novembro de 2020
Emmanuel Macron durante a sua intervenção televisiva neste dia 24 de Novembro de 2020 AFP - THOMAS COEX
Texto por: RFI
4 min

Emmanuel Macron dirigiu-se aos franceses esta terça-feira para anunciar as próximas etapas da estratégia da França para lutar contra a epidemia, o Presidente francês tendo anunciado o fim do confinamento para 15 de Dezembro, mas com a re-instauração de um recolher obrigatário entre as 21h00 e 7h00.

Publicidade

Apesar de uma ligeira baixa do número de infecções nos últimos dias, o discurso do Presidente francês aconteceu num dia em que o país contabilizou 1005 mortes nas últimas 24 horas, o número total de óbitos em elo com a covid-19 ultrapassando os 50.000.

"O pico da epidemia já passou", garantiu o chefe de Estado francês ao enumerar as medidas que deverão ser aplicadas no âmbito do desconfinamento que pretende levar a cabo em três fases nas próximas semanas.

Emmanuel Macron anunciou que a partir do Sábado 28 de Novembro, a França entra na primeira fase, com a reabertura de comércios e serviços até às 21 horas, no "respeito de protocolos sanitários" e de distanciamento físico. O Presidente francês indicou ainda que durante a primeira fase, também passam a ser autorizadas as saídas alargadas para prática desportiva ou passeios num raio máximo 20 quilómetros (contra o actual I quilómetro) e isto durante três horas.

No quadro desta primeira fase, o chefe de Estado indicou ainda que poderão retomar os ofícios religiosos com um número máximo de 30 pessoas, assim como as actividades extracurriculares ao ar livre.

No quadro da segunda fase da estratégia que o executivo francês pretende implementar a partir do dia 15 de Dezembro, um período durante o qual vai ser reinstaurado o recolher obrigatório entre as 21 horas e as 7 horas, Emmanuel Macron anunciou a reabertura de salas de cinema, de teatros e museus, no caso de não se ultrapassar o patamar das 5.000 contaminações diárias bem como das 2.500 a 3.000 admissões nos serviços de reanimação.

Caso estes objectivos do governo francês sejam atingidos, o desconfinamento total poderá acontecer a partir do dia 20 de Janeiro de 2021, consoante a evolução epidemiológica durante o período das festas do final de ano. Nesta altura, o executivo prevê a reabertura dos restaurantes, bares, discotecas e salas desportivas.

Referindo-se às esperanças suscitadas pela descoberta de possíveis vacinas, o Presidente francês optou por se mostrar confiante e indicou que "logo que sejam validadas pelas autoridades", poderão ser administradas aos mais fragilizados a partir do final do mês de Dezembro ou no começo de Janeiro. Emmanuel Macron, contudo, esclareceu que não iria tornar a vacinação contra a covid-19 obrigatória.

No que tange às operações de rastreio, Emmanuel Macron estabeleceu como objectivo que a partir de Janeiro do próximo ano, os resultados dos testes não demorem mais de 24 horas a serem conhecidos. O Presidente anunciou ainda que as pessoas contaminadas "iriam ser isoladas" e que "iriam ser sujeitas a medidas mais restrictivas", sendo que, como indicou o chefe de Estado, iriam receber apoio a nível sanitário, psicológico e material.

Relativamente às consequências económicas da crise da covid-19, Emmanuel Macron indicou que as empresas cuja actividade teve de ser interrompida, poderão receber 20% das suas receitas de 2019.

Ao concluir a sua intervenção televisiva, o chefe de Estado francês tornou a apelar à responsabilidade de todos, dizendo que "cada um tem um pouco da soluçao em si".

A França registou esta terça-feira 9.155 novos casos de contaminação de Covid-19 em 24 horas e 1.005 mortes suplementares em hospitais e lares, apontam as autoridades sanitárias francesas. O balanço da epidemia eleva-se agora a 50.237 mortes e 2.153.815 infecções.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.