França

Sarkozy condenado a um ano de prisão no caso 'Bygmalion'

O líder conservador Nicolas Sarkozy foi Presidente da França entre 2007 e 2012.
O líder conservador Nicolas Sarkozy foi Presidente da França entre 2007 e 2012. © Ian Langdsdon Pool/AFP/Arquivos

O líder conservador e antigo presidente francês Nicolas Sarkozy foi condenado hoje a um ano de prisão efectiva pelo financiamento ilegal da campanha para as presidenciais de 2012 em que acabou por ser derrotado pelo socialista François Hollande.

Publicidade

Nicolas Sarkozy, cujo advogado anunciou recorrer da sentença, foi considerado culpado de ter conscientemente gasto quase o dobro do valor legal máximo de 22,5 milhões de Euros na campanha para a sua reeleição.

Mal saiu do Tribunal, Thierry Herzog, o advogado do antigo presidente francês que não assistiu à leitura da sentença, anunciou que iria apresentar recurso, conforme tem sido na dezena de casos em que tem sido envolvido Nicolas Sarkozy nos últimos anos.

Segundo o Tribunal que o condenou a um ano de prisão efectiva, indo além do que tinha sido requerido -um ano com seis meses de pena suspensa- o antigo presidente "continuou a organizar" comícios eleitorais apesar de ter sido avisado por escrito sobre o risco de ultrapassar o tecto legal dos custos de campanha.

De acordo com a acusação, a campanha para a reeleição de Nicolas Sarkozy, custou pelo menos 42,8 milhões de Euros, a justiça considerando que Nicolas Sarkozy "omitiu voluntariamente o controlo das despesas". Para o Tribunal, parte do dinheiro foi usado para financiar comícios descritos como "autênticos Shows à americana" e os restantes valores serviram para contratar a agência de relações públicas Bygmalion para emitir facturas falsas e camuflar os custos reais da campanha. Victor Pereira, Professor de História na Universidade de Pau, no Sul da França, considera que a sentença pronunciada contra Sarkozy é indício de uma mudança de atitude para com altos dirigentes.

Victor Pereira sobre a condenação de Sarkozy

Os 13 co-acusados do antigo presidente, antigos quadros da agência de comunicação, responsáveis de campanha e contabilistas, acusados de falsificação de documentos, abuso de confiança e fraude foram condenados a penas mais pesadas, oscilando entre 2 e 3 anos de prisão. Por exemplo, Guillaume Lambert, antigo director da campanha de Sarkozy, foi condenado a 3 anos e meio de prisão, designadamente por cumplicidade de financiamento ilegal de campanha. Na óptica de Victor Pereira, esta maior severidade prende-se com o facto de ter sido mais difícil para os co-réus fugirem à prova da sua culpabilidade.

Victor Pereira, professor de História na universidade de Pau, sobre a condenação dos co-réus de Sarkozy
Victor Pereira sobre a condenação dos co-réus de Sarkozy

Aos 66 anos, Nicolas Sarkozy que esteve no poder de 2007 a 2012 e que continua a ter uma influência considerável na direita francesa apesar dos vários casos em que o seu nome é citado, foi condenado hoje pela segunda vez este ano, seis meses depois de ter sido condenado a 3 anos de prisão por corrupção e tráfico de influência no chamado 'caso das escutas', uma condenação da qual também recorreu.

Sarkozy é, desta feita, o primeiro antigo presidente a ter sido condenado a uma pena de prisão efectiva e o segundo a ter sido considerado culpado em tribunal, a seguir ao antigo presidente Jacques Chirac, falecido há dois anos e condenado por desvio de fundos.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI