França/Política

Oposição pede demissão do chefe do serviço secreto francês

Os líderes da oposição na França pedem a demissão do chefe do serviço secreto, Bernard Squarcini.
Os líderes da oposição na França pedem a demissão do chefe do serviço secreto, Bernard Squarcini. Reuters

A oposição francesa pediu hoje a demissão do chefe do serviço secreto francês, Bernard Squarcini, indiciado pela justiça francesa nesta segunda-feira. Ele é acusado de espionar os telefonemas de um jornalista de Le Monde que investigou o financiamento ilegal da campanha de Sarkozy. O atual presidente teria recebido doações da bilionária Liliane Bettencourt, herdeira do grupo L'Oréal, quando ainda era candidato.

Publicidade

Le Monde prestou queixa por quebra de sigilo de fonte jornalística. Em depoimento, o oficial nomeado por Sarkozy admitiu que pediu à companhia telefônica a conta detalhada de telefone do jornalista para descobrir que pessoas, no interior do governo, estavam alimentando o jornal com informações comprometedoras para Sarkozy. Ele alegou que agiu para proteger os interesses do Estado, que estavam, segundo ele, ameaçados pelas denúncias da imprensa.

O diretor geral da polícia nacional, Frédéric Péchenard, também corre o risco de ser indiciado. Ele deve ser ouvido por uma juíza de instrução francesa, Sylvie Zimmermann, que investiga a obtenção ilícita pelos serviços de polícia das contas de telefone detalhadas de um jornalista.

Durante seu interrogatório de segunda-feira, revelada pelo jornal Le Monde, Bernard Squarcini diz ter agido "de comum acordo" com Frédéric Péchenard para "realizar uma verificação técnica" nas faturas telefônicas do jornalista.

Reações

"Acho espantoso que o ministro do Interior ainda não tenha decretado a demissão de Bernard Squarcini porque o que aconteceu é grave", disse na noite desta segunda-feira François Hollande, o candidato socialista à eleição presidencial de 2012.

"Ele foi indiciado por um magistrado independente e a consequência direta deve ser sua demissão", disse hoje a candidata do partido ecologista, Eva Joly.

Marine Le Pen, a presidente do Front National, de estrema-direita, também criticou a decisão do governo de não demitir Bernard Squarcini nem mesmo temporariamente, enquanto a justiça investiga os fatos. 

Na França, a demissão de um alto funcionário implicado num caso desse tipo não é automática, como em outros países. Bernard Squarcini recebeu o apoio de seu chefe, o ministro do Interior Claude Guéant, muito próximo de Nicolas Sarkozy, que considerou que o indiciamento não impede o chefe do serviço secreto de exercer as suas funções.

O primeiro-ministro, François Fillon, declarou ontem que o governo vai esperar o final do processo para se pronunciar, o que exclui qualquer decisão antes das eleições presidenciais de 2012.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI