Acesso ao principal conteúdo
DSK /Caso Sofitel

Defesa de Strauss-Kahn pede arquivamento de processo civil nos EUA

O tribunal do Bronx, em  Nova York, onde aconteceu a primeira audiência do processo civil envolvendo o ex-diretor do FMI, Dominique Strauss-Kahn.
O tribunal do Bronx, em Nova York, onde aconteceu a primeira audiência do processo civil envolvendo o ex-diretor do FMI, Dominique Strauss-Kahn. © AFP/Don Emmert
Texto por: RFI
3 min

O advogado de Dominique Strauss-Kahn, ex-diretor do Fundo Monetário Internacional, FMI, pediu que a acusação de tentativa de estupro feita pela camareira do hotel Sofitel, de Nova York, Nafissatou Dialo, seja arquivada. Durante a primeira audiência do processo civil no Tribunal do Bronx, na mesma cidade, ele alegou que seu cliente beneficiaria de uma imunidade no momento do ocorrido.

Publicidade

Baseado na Convenção Internacional de Privilégios e Imunidades de agências especializadas, o então diretor-geral do FMI teria uma blindagem diplomática, com a qual pode escapar da justiça. O argumento foi rebatido pelo juiz Douglas McKeon, de 63 anos, que alegou que tal imunidade só se aplicaria no exercício de suas funções. Já a acusação lembrou que a convenção não foi ratificada pelos Estados Unidos e que a agressão não ocorreu em um contexto de trabalho. Uma decisão final sobre o caso é espera para abril ou maio.

O político reconhece ter tido uma relação sexual “inapropriada” com a camareira, mas alega que houve consentimento e não violência.

Nem Strauss-Kahn nem Dialo participaram desta etapa preliminar que durou 90 minutos e foi acompanhada por dezenas de jornalistas. A  audiência acontece sete meses depois do processo penal, do qual o ex-ministro francês foi liberado da acusação pela justiça americana.

Há dois dias, na França, Strauss-Kahn foi indiciado por envolvimento em uma rede de prostituição de luxo, podendo ser condenado a até 20 anos de prisão ou 3 milhões de euros em multas. O escândalo ficou conhecido na imprensa francesa como «Caso Calton », nome do hotel, no norte do país, onde eram organizadas festas libertinas na presença de prostitutas. O ex-diretor do FMI nega ter conhecimento de que as mulheres recebiam dinheiro para participar desses encontros sexuais.

Strauss-Kahn vai processar o jornal Le Monde por violação de direitos, já que o diário francês publicou em sua edição desta quinta-feira as declarações feitas por ele e por garotas de programa durante os interrogatórios desse caso de proxenetismo.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.