França/PIP

Fundador de empresa de próteses mamárias defeituosas é condenado a quatro anos de prisão

Tribunal correctionnel de Marseille, le 9 décembre 2013.
Tribunal correctionnel de Marseille, le 9 décembre 2013. REUTERS/Jean-Paul Pelissier

O empresário francês Jean-Claude Mas, fundador do laboratório fabricante das próteses mamárias PIP, feitas com silicone caseiro, foi condenado hoje 4 anos de prisão e ao pagamento de 240 mil reais de multa.

Publicidade

Condenado por fraude, o empresário também está proibido de exercer qualquer atividade na área médica e de gestão de empresas.

Outros quatro executivos do laboratório julgados no tribunal de Marselha foram condenados a penas de 18 meses a três anos de prisão, que poderão ser efetuadas parcialmente em regime aberto.

Cinquenta vítimas das próteses falsificadas, entre as sete mil mulheres que entraram com processos na justiça francesa, também estiveram na audiência.

Durante o processo, que durou sete meses, Jean-Claude Mas tentou desfazer a imagem de empresário insensível e autoritário, pedindo desculpas às vítimas.

Porém, ele insistiu em negar a nocividade do gel de silicone caseiro que provocou a ruptura das próteses em 7.500 mulheres e 3 mil reações adversas. Estima-se que em todo o mundo 300 mil mulheres tenham recebido as próteses falsas da marca PIP.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI