França/jihad

Dois adolescentes seduzidos pela jihad na Síria são indiciados em Paris

Jovens jihadistas no aerporto de Aleppo, no dia 25/01/2014.
Jovens jihadistas no aerporto de Aleppo, no dia 25/01/2014. REUTERS/Saad Abobrahim

Dois adolescentes de 15 e 16 anos foram indiciados nesta sexta-feira (31), em Paris, por conspiração criminosa em conexão com uma entidade terrorista. Os dois jovens, originários de Toulouse, sul da França, foram atraídos pela internet a participar da jihad, a guerra santa na Síria.

Publicidade

No dia 6 de janeiro, os dois jovens abandonaram a escola e foram para a Turquia, para de lá tentar entrar na Síria e combater contra as tropas do regime de Bashar al-Assad. Eles foram localizados pelas famílias e reconduzidos à França separadamente no começo da semana.

Segundo os primeiros elementos do inquérito, os rapazes conseguiram chegar à Síria através da Turquia. Os advogados do mais jovem realçaram as motivações “humanitárias” do adolescente. Mas uma fonte próxima do caso revelou a existência de uma foto dos dois rapazes, com armas, que foi divulgada pela internet. Eles foram indicados por associação a contraventores ligados a entidades terroristas.

Os dois rapazes nunca tinham enfrentado a justiça antes. O mais jovem é apresentado como aluno normal, enquanto o mais velho tem um percurso escolar mais conturbado.

Cerca de 700 franceses ou estrangeiros vivendo na França foram seduzidos a combater na Síria nos últimos anos ou pelo menos tiveram alguma implicação no fenômeno. Pelo menos cerca de dez desses voluntários são menores de idade. O tribunal antiterrorismo de Paris investiga o desaparecimento há oito dias, de uma adolescente de 15 anos em Avignon (sul), que teria declarado o desejo de participar da jihad na Síria.

Diante da comoção causada pelo caso dos dois adolescentes, o presidente François Hollande falou sobre a necessidade “de proteger os jovens franceses”.

Voluntários no mundo todo

O fenômeno tem uma dimensão europeia: entre 1,5 mil e 2 mil jovens europeus, principalmente belgas, franceses e ingleses, foram para a Síria. Mas a atração também é mundial, aliciando pessoas no norte da África, Austrália, Canadá e Estados Unidos.

Especialistas consideram que o retorno desses jovens ao seu país de origem pode trazer riscos de terrorismo. O assunto é complicado para o governo francês, que por sua vez apoia a oposição síria com recursos diplomáticos e materiais.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI