Imprensa Semanal

França: Intelectuais de direita versus Intelectuais de esquerda

Áudio 06:34
Capas de revistas semanais e especializadas francesas de 7 de outubro de 2015
Capas de revistas semanais e especializadas francesas de 7 de outubro de 2015 RFI

Nesta Imprensa Semanal, destacamos, questões africanas, como a reeleição de Ouattara no Burkina Faso, negócios em Moçambique, debate entre intelectuais franceses de direita e de esquerda ou a música da caboverdeana, Lura. LA LETTRE DE L'OCEAN INDIEN, refere-se a um fiel do MPLA angolano, Silvestre Quissari, com um pé em Maputo, estando no sector de pescas através da empresa Kissara AN/CG, entrando agora nos negócios do canal de Moçambique. Em Luanda, Silvestre João Quissari tem uma empresa de construção civil, Crisgunza, e activo igualmente na aviaçao e petrolífera. JEUNE AFRIQUE, faz a sua capa com a foto de Ouattara, o que lhe lhe espera até 2020, depois de ter vencido as últimas eleições: Justiça, reconciliação, transparência ou sucessão, são os grandes desafios que tem pela frente o Chefe de estado marfinense, releeito para um segundo mandato.Demónios da direita, é o tema de capa do semanário L'EXPRESS, epítetos que dá os intelectuais Patrick Buisson, Éric Zemmour e Filipe de Villiers, que defendem uma mesma causa: Pulverizar a oferta política antes das presidenciais de 2017, monopolizando temas de sociedade como Islão, Imigração, Família... Os novos cruzados da identidade francesa  podem perturbar o duelo entre Sarkozy e Juppé?,  pergunta l’EXPRESS.Por seu lado, L'OBS, pergunta em capa, quem são os novos intelectuais de esquerda? O intelecual de esquerda ainda se mexe? Um desses nomes duma longa lista, é Thomas Piketty, economista do bestseller mundial marxista, "Capital do século XXI" , e que agora defende um Parlamento para o euro, sublinha L'OBS.Enfim, TELERAMA, na sua rúbrica de música, refere-se à caboverdeana Lura, uma das mais belas vozes do arquipélago de Cabo Verde que está de volta com o album,  "Herança", após longos anos de silêncio. Lura, permanece fiel aos ritmos populares da ilha de Santiago como o funaná e o batuque, nota TELERAMA.