Acesso ao principal conteúdo
Revista de Imprensa

Turquia aceita migrantes mas pede mais dinheiro à Europa

Áudio 03:08
Primeiras páginas dos jornais franceses de 08 de março de 2016
Primeiras páginas dos jornais franceses de 08 de março de 2016 RFI
Por: João Matos

As primeiras páginas dos jornais franceses têm dois temas dominantes, a nova lei do trabalho e a questão dos migrantes na europa que a Turquia está disposta a receber no seu território mas pede mais dinheiro aos europeus.LE MONDE, titula, os europeus rejeitaram os migrantes para a Turquia. Os 28 dirigentes europeus discutiram longamente na segunda-feira o plano germano-turco que Ancara vai gerir.Uma nova cimeira ficou prevista para 17 e 18 de março para finalizar o acordo entre a Europa e a Turquia mas ninguém contesta a filosofia do projeto. Ancara reclama 3 mil milhões a mais da verba que estava prevista e livre circulação a partir de junho dos seus cidadãos no espaço Schengen, sublinha LE MONDE.Sobre a reforma do trabalho em França, LIBÉRATION, pergunta, como fazem os outros? A Espanha a Itália... vários países já testaram a flexibilização prevista no projecto francês contra o qual os franceses vão manifestar-se amanhã.Uma reforma adoptada pelos nossos países vizinhos nomeadamente os mediterrânicos onde a crise é maior e com resultados incertos sobre o emprego, nota LIBÉRATION.Em relação à África, AUJOURD'HUI EN FRANCE, destaca a Tunísia de novo atacada por jihadistas com ataques contra forças da ordem perto da Líbia, que fizeram mais de 50 mortos. São terroristas, são ratos, que devem ser exterminados, foi assim que o presidente tunisno béni caid essebsi, reagiu para condenar os ataques jihadistas.Foi um ataque sem precedentes na Tunísia, replica LE MONDE, perguntando: como foi possível que tantos terroristas tenham conseguido entrar no país até ao centro da cidade de Ben Gardane, palco dos ataques? Enfim, ainda sobre ataques, o mesmo LEM MONDE dá-nos conta de um ataque aéreo que matou mais de 150 milícias shababs, num centro de treino na Somália.  

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.