ONU/PORTUGAL

António Guterres aclamado como secretário-geral da ONU

António Guterres, o próximo secretário-geral da ONU.
António Guterres, o próximo secretário-geral da ONU. REUTERS/Denis Balibouse/File photo

A Assembleia-geral da ONU confirmou o nome do antigo primeiro-ministro português António Guterres como novo secretário-geral. Um reconhecimento para Portugal e para António Guterres, nas opiniões do embaixador de Portugal em França, José Filipe Moraes Cabral, e do historiador Yves Léonard.

Publicidade

A Assembleia-geral das Nações Unidas aclamou António Guterres como novo secretário-geral da organização.

Dos cinco membros permanentes do organismo - com poder de veto – a França apoiou António Guterres "desde o início", de acordo com o embaixador de Portugal em França, José Filipe Moraes Cabral, que foi representante permanente de Portugal junto das Nações Unidas entre 2008 e 2012 e presidente do Conselho de Segurança em Novembro de 2011 (quando Portugal foi membro não permanente do Conselho de Segurança).


José Filipe Moraes Cabral, antigo representante permanente de Portugal junto da ONU

"Tenho a certeza que o mérito do engenheiro Guterres se impôs desde o primeiro momento e que a França reconheceu esse mérito. [Foi] na base desse mérito e da experiência que é muito significativa do engenheiro Guterres - não só como primeiro-ministro de um governo europeu mas como Alto-Comissário para os Refugiados - que [ele] se impôs muito naturalmente e a França o apoiou desde o início", considera o antigo representante permanente de Portugal junto das Nações Unidas.

 

Yves Léonard, historiador francês especialista em história contemporânea portuguesa, sublinha que "Portugal não é um membro fundador das Nações Unidas e é muito importante esse reconhecimento".

 

Yves Léonard, Historiador especialista na História contemporânea de Portugal

"É uma grande oportunidade para a diplomacia de Portugal dizer algumas coisas sobre as relações internacionais. É muito importante. É um reconhecimento para Portugal e também para António Guterres, antigo primeiro-ministro de Portugal com uma capacidade com uma capacidade de falar com todos, o que é muito importante como secretário-geral das Nações Unidas", explica o autor de "Histoire Contemporaine du Portugal de 1890 à nos jours" e de "Salazarismo e Fascismo".

 

O sucessor do sul-coreano Ban Ki-moon vai assumir a liderança das Nações Unidas por um mandato de cinco anos, de 1 de Janeiro de 2017 a 31 de Dezembro de 2021.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI