Acesso ao principal conteúdo
França / Iraque

Paris a favor do julgamento de franceses jihadistas no Iraque

Vista panorâmica de Mossul, no Iraque. 9 de Julho de 2017.
Vista panorâmica de Mossul, no Iraque. 9 de Julho de 2017. AHMAD AL-RUBAYE / AFP
Texto por: RFI
2 min

O exército iraquiano deteve uma francesa de 27 anos, com quatro filhos, em Mossul, há onze dias. Há dois anos, a jovem seguiu o marido que teria integrado as fileiras do autodenominado Estado Islâmico e cujo rasto desapareceu. Paris não é contra o julgamento, no Iraque, de franceses implicados em grupos terroristas.

Publicidade

A família estaria a tentar fugir de Mossul há vários meses, mas após uma tentativa falhada e vários contactos com as autoridades francesas, o casal e os quatro filhos acabaram por ficar na cidade que era o bastião dos jihadistas até há pouco mais de uma semana. Aquando da retoma da cidade pelo exército, a mulher e os filhos foram detidos e levados para Bagdade, enquanto o marido está desaparecido.

A França e o Iraque não assinaram nenhum acordo sobre o regresso de famílias suspeitas de estar na rede jihadista e o governo francês avisou que não contesta que as autoridades iraquianas possam julgar, no seu território, franceses implicados em grupos terroristas. De acordo com a estação de rádio Europe 1, a mãe nega pertencer ao grupo Estado Islâmico e arrisca a pena de morte.

Em contrapartida, a justiça francesa gostaria de repatriar as crianças, que têm entre seis meses e seis anos, mas a lei iraquiana não permite a separação sem o acordo dos pais.

De acordo com o relato do jornal Le Monde, a família foi encontrada numa cave, em estado de subnutrição.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.