Revista de Imprensa

Os grandes deste mundo refugiam-se em paraísos fiscais

Áudio 04:40
Primeiras páginas dos jornais franceses de 6 de novembro de 2017
Primeiras páginas dos jornais franceses de 6 de novembro de 2017 RFI

As primeiras páginas dos jornais franceses apresentam-se diversificadas quer a nível de política interna quer a nível Internacional.LE MONDE, titula Os 350 mil milhões escondidos da evasão fiscal. Paradise papers: a investigação do jornal le MONDE, Consortium international de jornalistas e 95 médias parceiros, revela os segredos da optimização fiscal das multinacionais e grandes fortunas.350 mil milhões de euros são subtraídos todos os anos ao fisco dos Estados, 120 mil milhões no seio da União europeia e 20 mil milhões em França.13 próximos de Donald Trump, ministros, conselheiros e doadores, recorrem sistematicamente aos paraísos fiscais para evitar pagar impostos.A raínha da Inglaterra, investiu em paraísos "off shores" assim como um próximo do primeiro ministro canadiano, Justin Trudeau, acrescenta LE MONDE.LA CROIX, titula, Clima, agir. Enquanto uma nova conferência mundial sobre o clima começa em Bona, o enviado especial deste jornal relata como o nível das águas sobe nas ilhas Fidji, tão vulneráveis a mudanças climáticas.Antes do fim do século estas ilhas que presidem esta conferência internacional na Alemanha, vão ter que evacuar as populações, nota LA CROIX.L'HUMANITÉ, por seu lado, titula sobre Outubro de 17, um mundo que muda de base.  A entrada dos soldados e operários de armas em punho no Palácio de inverno é a conclusão de um ano 1917  marcado por uma extraordinária aceleração da história.Em março, a monarquia estava por terra. Em novembro, a estratégia de Lenine ganhava e a República dos sovietes operários e camponeses era proclamada, sublinha o jornal comunista L'HUMANITÉ.Sobre a política francesa, Mélenchon, sem estratégia política, titula LE FIGARO. O Líder da França Insubmissa que queria ser o chefe da oposição tem dificuldades em impor-se. Sem apoio popular, ele teve de admitir a sua impotência em demolir a política do chefe de Estado.No seu editorial, LE FIGARO, nota que o arauto da revolução bolivariana perdeu.Por seu lado, LIBÉRATION, titula sobre a escrita inclusiva, apenas pontos nos ii. Perigo de morto para a Academia francesa.Frequentemnte relegadas ao plano mediano e acusadas de serem ilisíveis as regras gramaticais visando dar visibilidade ao feminino desencadeiam a ira dos mais conservadores desde a publicação em outono do Manual escolar que as aplica. Uma língua desmasculinizada e mais feminizada, acrescenta LIBÉRATION.Enfim, em relação à África, LIBÉRATION, destaca militares malianos mortos num ataque do exercito francês, numa operação antiterrorista francesa levada a cabo há duas semanas no nordeste do Mali. Segundo fontes malianas soldados franceses que tinham sido capturados figuram entre as vítimas.