Líbano/França

Saad Hariri em França no sábado

Cartaz com o primeiro-ministro demissionário Saad Hariri em Beirute, no Líbano. 14 de Nomvembro de 2017.
Cartaz com o primeiro-ministro demissionário Saad Hariri em Beirute, no Líbano. 14 de Nomvembro de 2017. REUTERS/Jamal Saidi

O primeiro-ministro demissionário do Líbano, Saad Hariri, deverá chegar a França no sábado a convite do presidente francês, Emmanuel Macron. O chefe da diplomacia saudita declarou, hoje, que Hariri pode deixar a Arábia Saudita “quando quiser”.

Publicidade

O ministro saudita dos Negócios Estrangeiros, Adel al-Jubeir, declarou hoje que o primeiro-ministro libanês pode deixar a Arábia Saudita “quando quiser”.

Hariri está aqui por sua vontade e pode partir quando quiser”, afimou o chefe da diplomacia saudita, depois de o seu país ter sido acusado pelo presidente libanês, Michel Aoun, de reter o primeiro-ministro demissionário.

Nada justifica que Hariri não regresse após 12 dias. Consideramo-lo como estando em cativeiro e detido, o que é contrário à Convenção de Viena”, considerou o chefe de Estado libanês num twitter da presidência, acrescentando que não o conseguiu contactar “por nenhum meio de comunicação”.

Esta quarta-feira, segundo a AFP, o Eliseu comunicou que Saad Hariri deveria chegar a França neste sábado a convite de Emmanuel Macron e depois de Paris ter acentuado a pressão sobre Riade.

O presidente francês insistiu, ontem, junto das autoridades sauditas para que deixassem Hariri regressar ao Líbano para aí “confirmar” a sua vontade de deixar a chefia do governo. Como não conseguiu o seu regresso imediato ao Líbano, a França coloca-se na posição de mediadora, ao acolher Saad Hariri em Paris.

Falei com Mohammed ben Salmane [príncipe herdeiro saudita] e Saad Hariri e concluímos que o convidarei a passar alguns dias em França com a sua família”, declarou Emmanuel Macron, na quarta-feira à noite, precisando que não se trata “de todo” de um exílio.

Ao mesmo tempo, o chefe da diplomacia francesa, Jean-Yves Le Drian, chegou na quarta-feira à noite a Riade, onde se reuniu com Mohammed ben Salmane e avisou-se hoje com Saad Hariri.

O chefe da diplomacia de Paris alegara que Saad Hariri chegaria a França assim que ele o desejasse.

Jean Yves Le Drian, ministro francês dos negócios estrangeiros

Fonte próxima de Hariri, ouvida pela AFP, indicou que o primeiro-ministro deve chegar a Paris nas próximas 48 horas e seguir para Beirute para apresentar oficialmente a sua demissão.

A demissão de Saad Hariri foi anunciada a 4 de Novembro, a partir do reino saudita, através de um canal de televisão, e desde então o primeiro-ministro demissionário não regressou ao Líbano. Hariri, que tinha formado governo com o Hezbollah, justificou a demissão contra o “controlo” do seu país pelo Irão e pelo Hezbollah.

A demissão foi vista como um novo braço de ferro entre a Arábia Saudita e o Irão, os dois pesos pesados da região.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI