Acesso ao principal conteúdo
CINEMA

Cannes também tem cinema africano

Samantha Mugatsia (à esquerda) e Sheila Munyiva (à direita) em « Rafiki » de Wanuri Kahiu.
Samantha Mugatsia (à esquerda) e Sheila Munyiva (à direita) em « Rafiki » de Wanuri Kahiu. Météore Filmes
Texto por: Miguel Martins
3 min

O cinema africano tem dado que falar em Cannes. "Rafiki", filme da queniana Wanuri Kahiu, na mostra paralela "Un certain regard" aborda uma relação lésbica, um tema que lhe valeu a censura no seu país natal. A realizadora arrisca-se a ser presa no seu regresso ao Quénia.

Publicidade

Em causa a suposta "promoção" da homossexualidade feminina... as adversidades conhecidas pela realizadora queniana mereceram-lhe uma verdadeira ovação aquando da projecção do filme em Cannes.

Wanuri Kahiu foi a primeira queniana a ser seleccionada para o certame.

Ela conta aqui uma história de amor entre duas mulheres num país abertamente hostil à homossexualidade.

Na competição oficial um filme egípcio deu nas vistas:

"Yomeddine" trata-se do primeiro filme de Abou Bakr Shawky.

Em causa a viagem de um leproso pelo Egipto.

O cinema africano tem, pois, eco na competição oficial de Cannes e demais mostras paralelas.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.